Siga-nos

Agro

Produção de trigo no Oeste da Bahia pode alcançar quarenta e duas mil toneladas nesta safra

Produção aumentou mais de cem por cento, passando de 19 mil toneladas em 2021 para uma previsão de quarenta e duas mil toneladas em 2022…

Publicado

em

Produção de Trigo

Imagem meramente ilustrativa | Foto: Depositphotos

O trigo é um dos cereais mais antigos cultivados pelo homem e o segundo mais produzido no mundo, atrás apenas do milho. A farinha de trigo é o ingrediente principal de diversas receitas (bolos, pães, doces, biscoitos e tortas) e seu consumo é fundamental para uma alimentação saudável e equilibrada.

As culturas do trigo se fazem em planícies para facilitar o uso de máquinas. Quanto ao ciclo, há dois tipos de trigo: de primavera, plantado na primavera e colhido no verão; e de inverno, plantado no outono e colhido no fim da primavera. A planta germina uma ou duas vezes ao ano.

Para a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a safra de trigo do Brasil em 2022 deverá registrar um crescimento na área plantada de 20,6% ante o ciclo anterior, para 3,4 milhões de hectares, com impulso de preços mais altos em meio à guerra na Ucrânia que devem estimular investimentos na cultura.

De acordo com pesquisadores, a produção de trigo no Brasil mudou e nas últimas safras está sendo cultivado em muitas regiões onde antes não era cultivado, graças ao melhoramento genético, que propiciou cultivares adaptadas.

A produção no Oeste baiano, por exemplo, que de acordo com estudo da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), indica que a Bahia tem condições de sair dos atuais 5 mil hectares para 20 mil hectares de área cultivada nos próximos anos com o uso de tecnologias de manejo e de variedades atuais, principalmente na região Oeste.

As condições climáticas e geográficas favoráveis ao cultivo do trigo irrigado no Oeste baiano são semelhantes às do Brasil Central (Distrito Federal, Goiás e Minas Gerais), local onde foram selecionadas as cultivares da Embrapa para o Bioma Cerrado. Temperaturas elevadas durante o dia e amenas à noite, dias com alta luminosidade e altitudes que variam de 600 a 1.000 metros são fatores que influenciam positivamente na produtividade e na qualidade industrial dos grãos, considerada uma das melhores do mundo.

Produção de Trigo
Imagem meramente ilustrativa | Foto: Depositphotos

Segundo o diretor de Inovação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), Cleber Soares, a tropicalização do trigo, por meio do processo de inovação, é um exemplo claro da importância da pesquisa e da inovação na agropecuária.

Para Soares, a expansão do cultivo poderá tornar o Brasil um grande produtor mundial de trigo. “A nossa perspectiva é de que, com o avanço do trigo tropical na região do Cerrado e no Nordeste Brasileiro, esperamos em um horizonte de tempo de curto prazo, quem sabe até em dois anos deixarmos de importar trigo e, por que não, pensarmos até em exportar trigo para o mundo”

, afirma o diretor do Mapa.

No Oeste baiano, o cultivo do trigo mais do que dobrou esse ano. A área passou de três mil hectares em 2021 para sete mil este ano. A produção também aumentou mais de cem por cento nesse período. Passou de 19 mil toneladas para uma previsão de quarenta e duas mil toneladas nesta safra.

Das quarenta e duas mil toneladas previstas, a maior parte vai para os moinhos de Salvador e de outros estados, como Brasília, Sergipe e Alagoas. Cerca de 16 mil toneladas devem ficar no município de Luís Eduardo Magalhaes no Oeste da Bahía.

Instalado em uma área de trinta mil metros quadrados, o moinho de Luís Eduardo Magalhães tem quatro silos capazes de armazenar quinhentas toneladas de grãos cada um. Outros seis silos estão previstos até dois mil e vinte e três, triplicando a capacidade de armazenamento.

Produção de Trigo
Imagem meramente ilustrativa | Foto: Depositphotos

Vale lembrar que a Embrapa atua com o trigo na região Oeste desde meados da década de 1980, com o plantio de ensaios de valor de cultivo e uso (VCU) em áreas de produtores.

Exigidos pelo MAPA, os ensaios de VCU são realizados para comprovar, em condições de cultivo, o valor agronômico de linhagens candidatas a cultivares, segundo normas elaboradas pelo próprio Ministério.

A Embrapa tem atualmente conduzido e avaliado experimentos com novas variedades e linhagens de trigo na região. As variedades também são avaliadas pelos produtores em campos experimentais e lavouras comerciais, observando as recomendações de manejo prescritas pela pesquisa científica.

Fala Barreiras