Siga-nos

Covid-19

Espanha: Confirmado vínculo entre vacina e tromboses

Mulheres menores de 50 anos com déficit de plaquetas estão mais sujeitas às tromboses…

Publicado

em

Vacina Contra Covid-19

Sandra Cristina | Correspondente na Espanha

O chefe da estratégia de vacinação da Agência Europeia de Medicamentos (EMA), Marco Cavaleri, confirmou uma “associação” entre a vacina de “Astrazeneca” contra o Covid-19 e os casos de tromboses que estão experimentando algumas pessoas vacinadas, principalmente mulheres menores de 50 anos com déficit de plaquetas.

“Podemos dizer, que existe claramente uma associação com a vacina. Mas, todavia não sabemos o que causa essa reação. Essas tromboses cerebrais com déficit de plaquetas parecem ser a principal causa a ser investigada. Em resumo: nas próximas horas confirmaremos com todas as letras que tem uma conexão, mas todavia temos que entender como se ocorre”, foi o que anunciou em uma entrevista a um jornal italiano.

O responsável da EMA, reconheceu que “existem mais casos de tromboses cerebral com déficit de plaquetas entre jovens”, o que também já foram registrados casos entre 50 e 60 anos e ainda com homens, por volta de uns 20%. “A idade média ronda os 45 a 47 anos”, pontuou.

Informou ainda que a Agência vai valorar o risco-benefício da vacina nestas mulheres jovens. “Necessitamos de um trabalho muito detalhado para entender se a relação risco-benefício está a favor da vacina para todas as idades”. Por outro lado, o chefe não se pronunciou abertamente se vai fixar um grupo de idade ou coletivo que não poderá ser vacinado com a Astrazeneca. “Entendo a necessidade de que a União Europeia tenha uma voz única e forte, mas não sei se teremos esse tipo de indicação ainda essa semana. Mas, certamente se atualizará a informação, indicando que os eventos adversos estão relacionados com a vacina. Estará claramente estabelecido”,

afirmou o chefe de vacinação, Marco Cavaleri.

Pese a estas palavras, o comissário europeu de Saúde e Seguridad Alementaria, anunciou que a EMA emitirá uma nova opinião no final da noite de hoje sobre a relação entre a vacina de Astrazeneca e as tromboses em alguns vacinados.

Por sua parte, a Universidade de Oxford, deteve as provas que faz com sua vacina, desenvolvida com Astrazeneca, em crianças e adolescentes até que a agência reguladora do medicamento do Reino Unido (MHRA) proporcione mais informações sobre os possíveis efeitos secundários.

Em um comunicado, um porta voz da universidade informou que “ainda que não exista preocupação sobre a segurança com o ensaio clínico pediátrico”, Oxford decidiu esperar as informações adicionais da MHRA com sua investigação de casos raros de tromboses antes de administrar mais vacinas.

Fonte: Jornal O Progresso

Seja integrante de nossos grupos de WhatsApp!
Falabarreiras Notícias 01
Falabarreiras Notícias 02
Falabarreiras Notícias 20
Falabarreiras Notícias 42

Fala Barreiras