Siga-nos

Agro

Seminário apresenta resultados das ações preventivas à meaça do HLB dos Citros na Bahia

Publicado

em

01Seminário celebra três anos de ações compartilhadas com o Projeto Bio Math no enfrentamento ao huanglongbing (HLB) dos Citros, a mais grave e destrutiva praga da citricultura internacional. O encontro ocorreu na última terça-feira (12), no auditório da Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola (EBDA), vinculada à Secretaria da Agricultura (Seagri), em Salvador. Profissionais da Segri, da Agência de Defesa Agropecuária (Adab), EBDA, e da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa/CNPMF) estiveram no evento, que teve o objetivo de apresentar resultados alcançados com a implantação do Projeto Bio Math e dar continuidade às ações de prevenção ao HLB dos Citros na Bahia.

“Uma eventual entrada da praga HLB na citricultura baiana causaria prejuízos da ordem de R$ 1,8 bilhão”, informou o diretor de defesa sanitária vegetal, Armando Sá, ressaltando que a Bahia hoje, além de ser o segundo parque citrícola do país, com área de 64 mil hectares (IBGE, 2010), detém o status de área livre de HLB. “O Projeto Bio Math possui importante papel na manutenção desse status fitossanitário que é uma vantagem competitiva diante de estados como São Paulo, com ocorrência da praga, é considerado o primeiro no ranking nacional de produção”, acrescentou.

A Adab possui um Plano de Contingenciamento do HLB, com estratégias interinstitucionais e multidisciplinares para manter os pomares baianos livres da praga, como, por exemplo, inspeções fitossanitárias, monitoramento em áreas comerciais, armadilhamento em pontos estratégicos e fiscalização do trânsito de vegetais nas barreiras sanitárias. A coordenadora do Programa Fitossanitário dos Citros, Suely Brito, completou informando que a Adab busca sempre parcerias que nos ajude a planejar a melhor forma de detecção precoce da praga e as medidas recomendadas de prevenção, como o estabelecimento de rotas de risco, estudo de impacto econômico, monitoramento populacional do vetor, bem como os estudos epidemiológicos e de modelagem de cenários agrícolas.

Para o Secretário de Agricultura, engenheiro agrônomo Eduardo Salles, a Seagri, por meio da sua agência de defesa agropecuária, tem envidado esforços para monitorar a população do inseto vetor da praga (Diaphorina citri) e a invasão da bactéria nos principais pólos produtores: Lit oral Norte, Recôncavo, Chapada Diamantina, Oeste e Juazeiro.

A otimização de amostragem para detecção precoce
Durante o seminário, o pesquisador da Embrapa e líder do Projeto HLB Bio Math, Francisco Ferraz Laranjeira, apresentou formas de amostragem, para as regiões indenes, com fins de detecção do HLB o mais cedo possível, minimizando o uso de recursos e maximizando resultados com amostragens mais precisas, ou seja, sem precisar inspecionar 100% dos pomares.

“Em modelagem, trabalhamos com a combinação entre a probabilidade em se encontrar a praga, considerando diferentes níveis de incidência e outros parâmetros, tais como: idade da planta, espaçamento de plantio, método de amostragem, eficiência das equipes de amostragem, período de incubação do patógeno, modelo epidemiológico, presença do vetor. Mas quando existe a suspeita, todas as plantas do pomar têm que ser inspecionadas e a lei normatiza que qualquer planta sintomática precisa ser eliminada”, explicou Laranjeira.

Na avaliação, ainda parcial, do pesquisador, a melhor forma para maximizar a identificação da praga em áreas indenes é o “Flórida Estendido”, ou seja, uma adaptação do modelo de amostragem utilizado na Flórida. A versão brasileira visa a inspeção das plantas nas linhas horizontais, localizadas nas extremidades superior e inferior do pomar, bem como a linha central, utilizando o tipo de amostragem intra-talhões. Ainda sim, ele recomenda que este procedimento tenha a periodicidade de 3 inspeções para garantir que todas as plantas sintomáticas sejam encontradas.

“Apresentamos os resultados das pesquisas, mas cabe a agência de defesa escolher a melhor forma de trabalho, podendo retornar ao pomar para inspeção de seis em seis meses ou de ano em ano. Vai depender do recurso disponível”, concluiu o pesquisador, lembrando que a Embrapa e o Projeto Bio Math estão cumprindo com o compromisso de respaldar as ações de defesa agropecuária no enfrentamento à praga mais destrutiva da citricultura mundial, o HLB dos Citros.

O diretor-geral da Adab, Paulo Emílio Torres, considerou o projeto exitoso, pois, a Agência, além de parceira do HLB Bio Math, também era cliente da pesquisa. “Possivelmente, esta foi a receita de sucesso que motivou uma equipe numerosa, mais de 30 pessoas, nas mais diversas funções dentro da Agência”, pontuou.

Fonte: Ascom Adab

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *