Siga-nos

Gospel

Deputados evangélicos e católicos fazem ato contra parada gay

Publicado

em

Nathalia Passarinho | G1 Brasília

Aos gritos de ‘respeito’, eles também criticaram ‘marcha das vadias’.
Presidente do PPS criticou ato e defendeu respeito ao Estado laico.

“Temos que tipificar como crime hediondo essas cenas, que atingem nossas famílias”, Rogério Rosso (DF) líder do PSD

deputados-01

Folheto contra a parada gay distribuído por deputados da bancada evangélica | Foto: Nathalia Passarinho/G1

Aos gritos de “respeito”, deputados evangélicos e católicos fizeram nessa quarta-feira (10) uma manifestação no plenário da Câmara contra a parada gay, a “marcha das vadias” e a “marcha da maconha”. Com cartazes que traziam fotos da 19ª Parada do Orgulho LGBT, realizada no domingo (7), eles subiram à tribuna e pediram que atos públicos que “ferem a família” e a liberdade religiosa sejam transformados em “crime hediondo”.

Os parlamentares religiosos criticaram, sobretudo, o fato de a atriz transexual Viviany Beleboni ter se prendido na cruz, durante a parada gay, para representar o sofrimento dos homossexuais no Brasil.

“Os ativistas do movimento LGBT cometerem crime de profanação contra símbolo religioso, ferindo a todos os cristãos ao usarem uma pessoa pregada na cruz, utilizando símbolos do cristianismo de forma escandalosa, zombando e ridicularizando o sacrifício de Jesus”, diz nota de repúdio lida na tribuna pelo presidente da Frente Parlamentar Evangélica, João Campos (PSDB-GO).

A nota é assinada ainda pelo deputado Givaldo Carimbão (PROS-AL), presidente da Frente Parlamentar Mista Católica Apostólica Romana, e pelo deputado Alan Rick (PRB-AC), presidente da Frente Parlamentar em Defesa da Vida e da Família.

“Temos que tipificar como crime hediondo essas cenas, que atingem nossas famílias”, discursou o líder do PSD, Rogério Rosso (DF), que também participou do ato. Coube ao presidente do PPS, deputado Roberto Freire (SP), sair em defesa da “diversidade” e do Estado laico.

“Vivemos uma República laica. Não podemos transformar isso aqui numa igreja. Estou querendo trazer à lembrança de todos que não é para falar em nome dos 513 deputados. Respeitem a diversidade, respeitem a República laica”, afirmou.

Fala Barreiras