Siga-nos

Agro

Unidades de Beneficiamento de Algodão (UBA) do Oeste da Bahia são auditadas pelo programa ABR-UBA

17 algodoeiras da região do cerrado baiano estão participando do programa…

Publicado

em

Algodão

Começou, neste mês de outubro, a etapa de auditoria nas algodoeiras do Oeste da Bahia que desejam se habilitar à certificação Algodão Brasileiro Responsável (ABR) para Unidades de Beneficiamento de Algodão (UBA). Programa de sustentabilidade que vem ganhando, cada vez mais, reconhecimento nacional e mundial, o ABR-UBA é uma evolução do ABR, que antes era voltado apenas para as fazendas. Desde 2020, o programa foi estendido às UBAs, o primeiro dos elos industriais da cadeia produtiva do algodão, e, com isso, o rastreamento total da trajetória da fibra, desde o campo até o guarda-roupas do consumidor final, torna-se, virtualmente, possível.

Na safra 2020/2021, 17 algodoeiras da região do cerrado baiano estão participando do programa, ante quatro certificadas no ano-piloto, em 2020. As auditorias levam um dia por UBA e são realizadas por uma empresa de terceira parte, a Gênesis Certificações.

Algodão

A estrutura do programa ABR para a Unidades de Beneficiamento de Algodão (UBA) segue a mesma base do original, voltado às propriedades rurais. “O ABR-UBA foi adaptado à natureza da atividade industrial. Exemplo disso é que, além da NR31, a norma que regulamenta a segurança e a saúde na atividade agrícola, o ABR-UBA se pauta, também, na NR 12, que é voltada à segurança no trabalho com máquinas e equipamentos”

, explica Barbara Bonfim, coordenadora de Sustentabilidade da Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa).

Com base nos três pilares da sustentabilidade, (ambiental, social e econômico), o ABR-UBA estabelece oito critérios de avaliação: contrato de trabalho; proibição do trabalho infantil; proibição de trabalho análogo a escravo ou em condições degradantes ou indignas; liberdade de associação sindical; proibição de discriminação de pessoas; segurança, saúde ocupacional, e meio ambiente do trabalho; desempenho ambiental e boas práticas, e 165 itens de verificação e certificação. O programa é uma iniciativa da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa) gerido em campo pelas suas filiadas estaduais, dentre elas, a Abapa.

Catarina Guedes | Imprensa Abapa

Fala Barreiras