Siga-nos

Vida e Saúde

BA: 85% dos partos na rede privada são feitas por cesarianas

Publicado

em

Luan Santos | A Tarde

Percentual de cirurgias na rede particular é o inverso do recomendado pela OMS | Foto: Margarida Neide/Ag. A TARDE

Percentual de cirurgias na rede particular é o inverso do recomendado pela OMS | Foto: Margarida Neide/Ag. A TARDE

Dados da Federação Baiana de Saúde (Febase) indicam que 85% dos partos realizados na rede privada da Bahia são cesarianos e 15% são normais. O índice é proporcionalmente inverso ao indicado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que recomenda que apenas 15% dos partos sejam feitos por meio do procedimento cirúrgico.

A taxa nacional é ainda maior do que a baiana.  No Brasil, em cada 100 partos, 88 são  cesarianas. Estes dados, considerados alarmantes por autoridades de saúde, integram a pesquisa “Nascer no Brasil”, que será lançada nesta sexta-feira, 29, às 9h, no Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia (ISC-Ufba), no Canela.

O estudo, coordenado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), entrevistou 24 mil mulheres e foi executado em maternidades públicas, privadas e mistas.

A pesquisa  incluiu 266 hospitais de médio e grande portes, localizados em 191 municípios. Todas as capitais dos estados brasileiros foram incluídas, além de cidades do interior.

Somados os nascimentos nas  redes pública e privada do Brasil, a cesariana é realizada em 52% dos casos, segundo o levantamento.

Para a coordenadora da pesquisa, Maria do Carmo Leal, a cesariana representa um risco a mais para mulheres e bebês.

“O índice elevado se deve a uma cultura arraigada no Brasil de que o procedimento é a melhor maneira de se ter um filho. Em parte porque, no Brasil, o parto normal é realizado com muitas intervenções e dor”, afirma a pesquisadora.

Mudança
O levantamento aponta que 70% das mulheres pesquisadas desejavam o parto normal quando engravidaram. Entretanto, 52% delas passaram por cesariana. Na rede de saúde privada, apenas 15% das que desejavam tiveram parto normal.

“Há, certamente, uma influência do pré-natal na decisão das mulheres pelo tipo de parto, mas as amigas e os familiares também influenciam. Não se pode, entretanto, deixar de destacar que é uma visão equivocada achar que a cesariana é a forma mais segura para parir”, explica Maria do Carmo.

O presidente da Febase, Marcelo Brito, diz que uma parcela das cesarianas é opção da paciente, e outra parte, pela dificuldade de conseguir vagas em leitos de obstetrícia. “Muitas mulheres ficam com receio de não conseguir vaga e preferem marcar o dia, para garantir o leito”, afirma.

Ele conta que os hospitais dão preferência a leitos para serviços de alta complexidade em  detrimento de obstetrícia. “Os repasses dos convênios são muito baixos”, completa Brito.

Doutora em saúde coletiva, a professora do ISC Estela Aquino, que coordena o evento desta sexta, ressalta que os dados apontados pela pesquisa poderão alimentar as políticas públicas de saúde.

Ela afirma que a cesariana é um recurso fundamental para casos de complicação, em que a vida da mulher ou do bebê esteja em risco: “Um dos pontos do estado é a influência da cesariana no parto prematuro, que tem influencia negativa no desenvolvimento do bebê”.

Rede pública
Na Bahia, 63% dos partos realizados  na rede pública foram normais, enquanto 37% tiveram a interferência cirúrgica. No Brasil, o índice de nascidos  pelo  Sistema Único de Saúde (SUS) foi de 46%.

Manoel  Miranda, coordenador da Rede Cegonha, afirma que, nas  unidades hospitalares de média complexidade, o índice de cesarianas chega a ser menor do  que o indicado pela OMS. “Nos hospitais de alta complexidade, como o Roberto Santos, já conseguimos reduzir o número de cesarianas”, afirma.

Segundo ele, o estado também realiza um trabalho no interior do estado. “Estamos abrindo leitos com enfermeiros obstetras, que já é meio caminho andado para se ter um parto normal”, diz.

Barreiras Notícias - Fala Barreiras