Siga-nos

Sem categoria

Greve da PM-BA: PGR envia ofício a desembargador do TRF1

Publicado

em

Ascom MPF/BA

Recurso ordinário apresentado pela defesa de Marco Prisco deve ser comunicado ao procurador-geral da República

Foto reprodução | www.radiopovo.com.br

Foto reprodução | www.radiopovo.com.br

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou, nesse sábado, 19 de abril, ofício ao desembargador plantonista do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) solicitando que seja comunicado sobre habeas corpus impetrado pela defesa de Marco Prisco Caldas Machado, preso na sexta-feira, 18 de abril, na Bahia. Janot solicita ainda que o Ministério Público Federal que atua perante o TRF1, isto é, a Procuradoria Regional da República da 1ª Região, seja intimado para manifestar-se nos autos, ainda que em breve prazo fixado em horas.

O pedido para que o PGR seja comunicado se dá em virtude dos tipos de crimes pelos quais Marco Prisco responde em denúncia proposta pelo Ministério Público Federal na Bahia e na qual houve o pedido de prisão: art. 18 da Lei n. 7.170/1983; art. 19 da Lei n. 7.170 c/c o art. 71 do Código Penal; art. 15, § 1º, ?b?, da Lei n. 7.170 c/c o art. 71, CP; art. 23, IV, da Lei n. 7.170; art. 288, parágrafo único, CP; e art. 232, ECA c/c o art. 29, CP. Tais crimes, previstos na Lei de Segurança Nacional, são delitos de caráter político.

Conforme previsto na Constituição Federal, crimes políticos e infrações penais praticadas em detrimento de bens, serviços ou interesses da União ou de suas entidades autárquicas ou empresas públicas são processados e julgados pela Justiça Federal. O art. 102, II, “b” estabelece ainda que o recurso ordinário, nesses casos, cabe ao Supremo Tribunal Federal.

A prisão do líder do movimento grevista da Polícia Militar baiana deu-se em decorrência de mandado expedido pelo juiz titular da 17ª Vara Federal da Seção Judiciária da Bahia (Ação Penal 15051-26.2013.4.01.3300) e fundou-se na necessidade de garantia da ordem pública.

O denunciado liderou três greves ilegais de policiais militares no Estado da Bahia e de consequências negativas para a população baiana. Apenas entre os dias 16 e 18 deste mês de abril, período em que os policiais militares interromperam suas atividades, mais de cem pessoas foram assassinadas em Salvador, além de terem sido praticados saques, “arrastões”, roubos e a restrição ao direito de ir e vir dos cidadãos.

Fonte:
Secretaria de Comunicação Social
Procuradoria Geral da República (61) 3105-6404/6408

Veja também:
Nota do Ministério Público Federal sobre prisão de Marco Prisco

PM da Bahia recua de retomar greve, mas segue com ‘operação tartaruga’

Eliana Calmon orienta e deputado pede fim do aquartelamento

Advogado de Prisco dá entrada ao habeas corpus em Brasília

Marco Prisco vai cumprir mandado de prisão preventiva por 90 dias

Comandante da PM orienta a tropa a manter os seus postos

Marco Prisco, líder do movimento, é preso na tarde de sexta-feira a pedido do MPF/BA

Diálogo para implantar Plano de Modernização da Polícia Militar será retomado

Após acordo, policiais militares decidem encerrar a greve na Bahia

Justiça determina fim da greve da PM sob pena de multa diária de mais de R$1 milhão

Proposta das associações de policiais militares está fora da capacidade orçamentária do Estado

FASB suspende temporariamente aulas devido a greve da PM

Tropas federais desembarcam em Salvador para reforçar a segurança

Governador diz que decisão unilateral de greve levou à solicitação de tropas federais

SINDSEMB apoia luta dos Policiais Militares da Bahia

Homens das forças armadas reforçam a segurança pública na Bahia

Tribunal de Justiça decreta ilegalidade da greve dos policiais na Bahia a pedido do MP

Comunicado oficial da CDL para o comércio em relação à greve da PM

Presidente Dilma assina decreto de Garantia da Lei e da Ordem para a Bahia

Governo solicita tropas federais para garantir a segurança da população

Policiais militares decretam greve por tempo indeterminado na Bahia

Governo e associações mantêm diálogo sobre plano de reestruturação da PM

Fala Barreiras