Siga-nos

Política

Kelly Magalhães faz um balanço da administração da prefeita e do atual contexto político no oeste baiano

Publicado

em

A vereadora e presidente da Câmara Municipal de Barreiras, Kelly Magalhães (PCdoB), faz uma análise do governo municipal e do governo estadual e se diz pré-candidata a deputada estadual e justifica sua parceria com Oziel Oliveira.

FB – Kelly, sua análise do primeiro ano de gestão da prefeita Jusmari Oliveira.

teste-internoKelly – Considero que Jusmari tenha trabalhado muito, encontrou uma cidade arrasada, completamente esburacada, sem manutenção, sem reparo das principais vias de acesso. As principais ruas estavam intransitáveis, uma situação inteiramente caótica e que não é fácil consertar de uma hora para outra. Mas desde o início de sua administração que a prefeita tem sistematicamente investido em operação tapa-buraco. Todos os dias um bairro recebe uma melhoria, um asfalto, uma recuperação e outros estão recebendo a pavimentação completa. Portanto esse que é o maior drama de Barreiras enfrenta, a prefeita está encarando de frente. Fora isso, foi um ano inteiramente produtivo do ponto de vista das parcerias com os governos federal e estadual para garantir o saneamento básico, a presença da ferrovia passando pela cidade, para garantir o dinheiro, mais de 50 milhões de reais, para ser investido na Santa Luzia através do PAC. São investimentos que vão produzir o que Barreiras mais deseja que é sua sustentabilidade em infraestrutura. Além de tudo isso, muitas escolas foram reformadas, todas as estradas vicinais. Portanto avalio positivamente esse primeiro ano da gestão de Jusmari apesar da queda de receita que Barreiras teve.

FB – Quais os principais avanços obtidos nessa sua segunda gestão como presidente da Câmara?

Kelly – Primeiramente naquilo que é sagrado, que é a informação para a comunidade. Fazer com que a população de Barreiras tenha informação do que acontece na Câmara em tempo real. Investimos muito na modernização de um site que é atualizado diariamente para levar as notícias e as leis que estão sendo discutidas e aprovadas. Além disso, o atendimento, na gestão passada a Câmara só funcionava meio turno e em nossa gestão voltou a funcionar durante todo o dia. E o mais importante, nós entendemos que a Câmara não é uma casa para ser oposição à prefeitura dando prejuízo à população, nós somos parceiros, pois Barreiras sofreu muito na gestão passada do ex-prefeito Saulo Pedrosa e do ex-presidente Luiz Holanda, que viveram em pé de guerra e a população foi extremamente prejudicada. Tanto na aprovação de projetos, quanto na própria relação entre poder executivo e poder legislativo, nós respeitamos como respeitamos no meu primeiro mandato como presidente da Câmara, respeitei a relação harmoniosa com o ex-prefeito e todos os projetos foram aprovados e os interesses da cidade foram colocados em primeiro lugar. Nessa nossa segunda gestão também priorizamos o diálogo com a prefeitura municipal, o debate aberto dos projetos que são colocados em pauta e a franca e sincera opinião que nós temos em relação aos problemas que são apresentados pela população na busca das suas soluções. Portanto o que a gente quer é uma Câmara moderna, eficiente, harmônica, conciliadora e acima de tudo antenada com os problemas de Barreiras e de seu povo.

FB – Você que é considerada uma das políticas mais influentes e inteligentes do oeste da Bahia, faça uma leitura desse atual cenário político do estado e mais precisamente do oeste.

Kelly – O cenário político da Bahia é um cenário em que estamos vivendo, depois de tantos anos, sob a égide de um governo que não é comandado por ACM ou por seu grupo político. O governador Jacques Wagner tem implementado uma forma de fazer política diferenciada e positiva para todo o estado da Bahia e para a política como um todo. Nós percebemos isso no dia-a-dia e eu posso dizer como próprio exemplo da política de Antônio Carlos Magalhães, quando na eleição passada fui candidata a deputada estadual e todos os prefeitos do oeste da Bahia já tinham as suas indicações políticas determinadas pelo governador ou pelo senador ACM. Isso causa um prejuízo terrível na relação entre as pessoas e entre os entes federativos. Agora temos uma nova realidade política em que as pessoas ainda não estão acostumadas. O governador é adepto ao diálogo, é republicano, não tem a caneta na mão para fazer a perseguição que o povo da Bahia sofreu durante esses anos todos. Portanto causa estranhamento, eu ouço muito as pessoas questionando que Wagner é mole, que Wagner é isso, que Wagner é aquilo, muito pelo contrário, a Bahia avançou significativamente em vários setores, em especial nas questões fundamentais para o ser humano. A água, as estradas que foram recuperadas, os investimentos que foram feitos para aqueles que viveram na escuridão do analfabetismo. A Bahia quando o Wagner assumiu era o estado campeão do analfabetismo com mais de 2 milhões de baianos analfabetos, hoje os investimentos na área estão acontecendo numa parceria com o governo do Presidente Lula, que tem feito com que a Bahia consiga atrair grandes investimentos, especialmente na infraestrutura que é o que garante um estado forte, um estado produtivo, viável econômica e socialmente. Parabenizo Jacques Wagner por fazer essa política da amplitude, que preza o respeito e ouve as pessoas. Em Barreiras e no oeste da Bahia vive esse momento histórico. A eleição de Jusmari por ser a primeira mulher a governar Barreiras, recebe críticas por isso, mas é uma gestora centrada, com um viés humano muito forte. Barreias viveu gestões que nunca priorizaram a necessidade daqueles que precisavam. Eu, por exemplo, vereadora Kelly, cansei de pedir auxílio para levar um doente para fora porque em Barreiras os prefeitos nunca tiveram a intenção de dar uma ambulância para transportar alguém ou simplesmente dar uma passagem, ou um caixão para aquelas pessoas que realmente precisam. A gente vê a prefeita indo ao exterior, indo ao governador, ao governo federal para fazer com que Barreiras e todo o oeste da Bahia se consolide como um potencial econômico que é e que deve ser. Barreiras tem que ser uma cidade pólo, uma cidade que deve irradiar todo o potencial econômico que ajude as prefeituras a se viabilizarem, a se manterem economicamente com sustentabilidade.

FB – Kelly essa será sua terceira candi datura a deputada estadual, dessa vez as coisas estão mais favoráveis?

Kelly – Vou considerar que esta seja a minha segunda candidatura. Eu fui candidata a deputada estadual em 1998 como um desafio por ser uma soldada do nosso partido e que na época não conseguiu uma coligação e nós precisávamos manter a voz ativa da deputada Alice Portugal. Por sairmos sem coligação exigiu do partido que todas as regiões principais colocassem lideranças que ajudassem na votação para fazer que Alice se reelegesse, pois era nossa principal voz na Assembléia Legislativa. Portanto aquela candidatura serviu como experiência positiva e serviu também para nossa projeção no cenário político de Barreiras. Aquilo nos ajudou porque as pessoas passaram a conhecer a política Kelly, porque eu saí candidata não por acaso, mas depois de uma longa militância em defesa das mulheres, no movimento sindical, no movimento social e ter uma trajetória de lutas e que só depois a gente passou a disputar cargos eletivos. Em 2006 nós concorremos de fato porque existia um pedido e um anseio da população de que nós nos candidatássemos por conta da nossa gestão como presidente da Câmara Municipal de Barreiras e por nossa atuação destacada como vereadora que mostrou que as pessoas podiam realmente no confiar um mandato. Eu sou grata ao povo de Barreiras por ter reconhecido a nossa capacidade, por ter reconhecido nosso potencial, por isso fui muito bem votada pelo povo de Barreiras. Não alcancei os votos necessários, faltaram apenas 4 mil votos para que eu me elegesse, por conta das lideranças regionais que não tive nem o apoio necessário na região oeste. Agora é diferente, temos o apoio da prefeita. Quero ressaltar uma coisa importante, existiu um grupo aqui em Barreiras que sempre prestigiou a si mesmo e nunca deu oportunidade para que outros crescessem, quando eu fui candidata a deputada na eleição passada, eu poderia ter sido eleita se o ex-prefeito que eu apoiei tivesse me apoiado e não tivesse trazido tantos candidatos de fora para fazer frente ao meu nome, e ter me tirado lideranças importantes como o hoje prefeito de Riachão das Neves, Marquinhos, que na época me apoiava e a pedido do ex-prefeito de Barreiras foi me retirado esse apoio e acabei perdendo quase 4 mil votos que ele poderia ter me dado, que foi o que impossibilitou minha eleição. Por tudo isso tenho a grata satisfação de ter Jusmari ao meu lado, pois ela reconhece o potencial e a capacidade de quem está do seu lado e dá essa oportunidade. Hoje tenho andado todo o oeste da Bahia e onde chego tenho encontrado apoio dado pela prefeita e por Oziel Oliveira, que é ex-prefeito de Luís Eduardo Magalhães. Tenho tido a oportunidade de mostrar o meu potencial, a minha capacidade, o que eu penso, o que nós pensamos de um modelo de desenvolvimento de inclusão para o oeste da Bahia que precisa e necessita de ter representação na Assembléia Legislativa da Bahia. Portanto eu conto com o apoio da prefeita e conto com o apoio daquele povo que em 2006 me deu quase 14 mil votos e que certamente esse ano continuará a crer na nossa capacidade e nos ajudará a ter muito mais votos que nós obtivemos na eleição passada aqui dentro do município de Barreiras. Eu tenho responsabilidade com esses votos, com essa confiança que o povo deposita em mim, é um momento especial, é um momento diferente, é um momento em que tem uma mulher administrando o município, que tem uma mulher administrando a Câmara Municipal, em que estou aqui mais uma vez com a responsabilidade de levar a voz desse povo para o oeste da Bahia. Agradeço essa oportunidade e esse apoio que a prefeita tem nos dado, sou reconhecedora que necessitamos de lideranças assim. Penso que o oeste da Bahia dessa vez não tem capacidade de eleger tantos deputados estaduais como está tendo uma proliferação muito grande de candidatos, o que prejudicaria, sem dúvida nenhuma, a representação e pode impedir a eleição. Infelizmente, além de ter muitos candidatos do oeste disputando a mesma vaga, ainda têm os que vêm de fora pegar os votos aqui em Barreiras e nos causar dificuldades. É uma meta nossa esclarecer o povo para votar em candidatos da região do oeste da Bahia, fortalecer a nossa representação, legitimar a nossa representação na Assembléia Legislativa tanto quanto na Câmara Federal. Esse ano de 2010 é um ano diferente é um ano que temos toda a capacidade de chegar lá, de ser deputada e de fazer a diferença. Eu tenho me preparado esses anos todos para servir ao povo, pra servir a essa cidade, para servir a região oeste da Bahia. Acredito que como deputada estadual darei uma contribuição muito importante para o crescimento dessa região. Digo com muita sinceridade, eu quero ser uma deputada governista, desejo muito a reeleição do governador Jacques Wagner como desejo a eleição da primeira mulher presidente do Brasil, que será a Dilma.

FB – Kelly você é pré-candidata pelo PCdoB, como justifica sua parceria com Oziel Oliveira?

Kelly – Eu sempre votei em Alice Portugal por reconhecer a sua força, sua garra e por ser do meu partido PCdoB, mas hoje eu peço voto para Oziel Oliveira com o conhecimento do meu partido. Primeiro como reconhecimento e uma retribuição pelo que Oziel e Jusmari têm feito pela nossa candidatura, mas acima de tudo por reconhecer que o povo e o oeste da Bahia precisa ter uma voz daqui, da cidade, dessa região na Câmara dos Deputados. Portanto a candidatura de Oziel é uma candidatura legítima que precisa do apoio de todos nós, tanto da esquerda quanto de outros setores que desejam ter uma representação. Nós apoiamos por esse sentido, por essa questão.

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fala Barreiras