Siga-nos

Oeste

Prefeito de Santana comenta manifestação de comerciantes contra Decreto Estadual

O Prefeito de Santana, Marcão, comentou sobre os desdobramentos da reunião com os comerciantes e a gravidade da COVID-19 no Oeste da Bahia.

Publicado

em

A publicação do Decreto Estadual que determinou o funcionamento somente de atividades essenciais em 36 municípios da Região Oeste deu o que falar. Comerciantes de várias cidades se manifestaram contra a decisão. No Município de Santana, muitos deles chegaram a realizar protestos contra o decreto. No entanto, o Prefeito de Santana, Marcão, permaneceu firme diante das manifestações e o município continua seguindo o que foi determinado pelo Governo da Bahia.

Para entender o posicionamento do Prefeito de Santana nessa situação, o Fala Barreiras entrou em contato com o gestor para que ele comentasse o caso. Confira abaixo os principais pontos de sua fala.

A Prefeitura de Santana segue as orientações das autoridades de saúde

Marcão mostrou estar consciente dos problemas que tem sido enfrentados não só em Santana, mas em toda a Região Oeste em função do aumento do número de casos de COVID-19, bem como a lotação dos leitos clínicos e de UTI disponíveis Oeste Baiano.

Diante da situação originada a partir da pandemia, o gestor municipal reforçou que o município segue o que tem sido determinado pelas autoridades de saúde. O Prefeito de Santana também declarou que, para ele, tudo é atividade essencial, se referindo aos comércios que foram fechados a partir do decreto estadual.

“Nós sempre tomamos as medidas de comum acordo com as orientações tanto da Organização Mundial de Saúde, do Ministério da Saúde, bem como com o Governo do Estado, da Secretaria de Saúde e do próprio governador. O decreto que foi nortamizado para poder ser atendido durante essa semana, até o dia 25 (…) no que diz respeito a suspensão de atividades não essenciais”, afirmou Marcão.

No entanto, Marcão explicou que, do ponto de vista legal, até o Ministério da Saúde já especificou o que é ou não essencial. Portanto, o decreto estadual está correto na sua regulamentação.

“Apesar de, no decreto do Governo Federal constar que atividades essenciais é esse ou aquele comércio, tudo, no meu ponto de vista, é essencial. Mas como consta no decreto federal, através do Ministério da saúde, o que é essencial ou não, considera-se o decreto estadual”, declarou o Prefeito de Santana.

Prefeito de Santana

Marcão enviará as reinvindicações dos comerciantes ao Governo do Estado

O Prefeito de Santana também comentou sobre a manifestação dos comerciantes do município, que protestaram contra o fechamento dos seus estabelecimentos.

De acordo com Marcão, o protesto foi pacífico, sendo que cerca de 200 manifestantes aceitaram dialogar com a Prefeitura e compreenderam a necessidade de aguardar uma nova posição do Governador Rui Costa, que deve ser divulgada ainda nesta semana.

Além disso, o Prefeito se comprometeu a enviar as reivindicações dos comerciantes ao Governo do Estado.

“A gente teve a manifestação dos comerciantes, uma manifestação pacífica, onde foi possível a gente sentar, conversar, dialogar para chegar a um entendimento, e tudo que foi convergente de comum acordo nessa reunião será encaminhado para o Governador para, a partir daí, ele fazer a reflexão e rever a questão do decreto se for o caso”

, comentou Marcão.

Apesar disso, o Prefeito de Santana reafirmou que o município continuará seguindo as orientações das autoridades de saúde para zelar pela vida da população local. Afinal, até o momento, já foram registrados 10 óbitos por COVID-19 no município. Além disso, 30 cidadãos de Santana já faleceram em função dessa doença em outras localidades.

“Nós seguramente vamos continuar seguindo as orientações do Ministério da Saúde, do Governo do Estado, para que a gente possa continuar zelando pelo nosso povo, dos nossos municipes, e diminuindo, com fé em Deus, cada dia mais os casos ativos, fazendo todo o esforço possível para não ter mais nenhum óbito em Santana”, declarou o gestor municipal.

Prefeito de Santana alerta: não dá para contar com UTI aérea

Durante a entrevista, Marcão também comentou que, nesta terça-feira (18), se reuniu com os Prefeitos da Bacia do Rio Corrente. Ele é Presidente no Consórcio Interfederativo de Saúde da Bacia do Rio Corrente. Segundo ele, dos 14 prefeitos que participam do grupo, 12 comentaram sobre suas dificuldades e sobre o clamor dos comerciantes que precisam trabalhar.

No entanto, o grupo também demonstrou preocupação com a proliferação do vírus da Região Oeste, uma vez que todos os leitos disponíveis na região, não só em Barreiras, mas também em outros municípios, estão completamente ocupados.

“Não só a Região Oeste está 100% ocupada, bem como a Região Sudoeste, que é Caetité, também os leitos estão todos ocupados. E a transferência de um paciente daqui para Salvador em UTI aérea está demandando tempo porque o número de pessoas que precisam ser transferidas através de UTI Aérea é um número altíssimo e o Governo não tem a disponibilidade dessas UTIs aéreas para atender toda a demanda ao mesmo tempo. O transporte terrestre, que são as ambulâncias de UTI, por outro lado, o paciente não resiste a uma viagem tão longa. Então a gente tem que ter esses pacientes internados aqui na nossa região”, completou o Prefeito de Santana.

Prefeito de Santana

Seja integrante de nossos grupos de WhatsApp!
Falabarreiras Notícias 20
Falabarreiras Notícias 42
Falabarreiras Notícias 43

Fala Barreiras