Siga-nos

Mundo

Canais ligados ao Talibã são banidos do Youtube

Além do Youtube, o Facebook, Instagram e Whatsapp se comprometeram a impedir a circulação de conteúdos ligados ao grupo terrorista Talibã.

Publicado

em

Após o grupo terrorista Talibã invadir e tomar Cabul, a capital do Afeganistão, e retornar ao poder pela primeira vez após 20 anos, o Youtube declarou que possui uma política de longa data para impedir que canais e contas relacionadas ao Talibã permaneçam ativadas.

O anúncio foi realizado nessa terça-feira (17), após a repercussão negativa do retorno do grupo terrorista ao comando do país afegão.

Nos últimos dias, cenas terríveis de pessoas desesperadas para fugir do país circularam nos jornais e nas redes sociais do mundo inteiro, mostrando a situação caótica na qual o país se encontra depois da chegada dos terroristas em Cabul.

Canais ligados ao Talibã são banidos do Youtube
Pessoas desesperadas para fugir do Afeganistão no aeroporto de Cabul. Foto: CNN.

As cenas causaram choque em toda a comunidade internacional e ligaram o alerta para a provável ocorrência de mais uma crise humanitária e política que atinge o país.

Historicamente, o Talibã é conhecido por adotar uma visão extremamente rigorosa da lei islâmica (sharia). Por isso, o grupo adota uma política de repressão à liberdade de expressão e de desrespeito aos direitos humanos, sendo ainda mais cruel com mulheres e crianças.

Portanto, a comunidade internacional e boa parte dos afegãos temem que, com a volta ao poder, o grupo terrorista volte a implementar a mesma repressão que ocorria no país em 2001, quando o Talibã comandava o Afeganistão.

Foi nessa época que eles organizaram diversos atentados terroristas, como atentado às Torres Gêmeas, que ocorreu no dia 11 de setembro de 2001. O atentado motivou o início de uma guerra entre Estados Unidos e Afeganistão, que durou os últimos 20 anos.

Diante desse cenário, o Youtube e outras redes sociais tem sido pressionadas para se posicionarem e impedirem que vídeos de incitação à violência ou qualquer outro tipo de propaganda desse grupo terrorista possa circular na internet.

Além do Youtube, o Facebook já se pronunciou sobre o caso e afirmou que contas e conteúdos ligados ao Talibã também serão banidos da sua plataforma, do Instagram e do WhatsApp, já que ambos também pertencem ao Facebook.

Fala Barreiras