Siga-nos

Brasil

MINHA CASA, MINHA VIDA:
Novas conquistas e melhorias para moradia digna ganham destaque durante bate-papo com o Ministro Jader Filho

Conheça as inovações do programa que garantem acesso à moradia e melhor qualidade de vida para famílias vulneráveis

Publicado

em

Minha Casa Minha Vida

Ministro Jader Filho sendo entrevistado pela apresentadora durante o programa Bom Dia, Ministro, onde destacou as melhorias no Minha Casa, Minha Vida para garantir moradia digna a todos os brasileiros | Foto: Divulgação

Durante o “Bom Dia, Ministro”, o ministro Jader Filho, responsável pela pasta de Cidades, reafirmou o compromisso com a população brasileira ao garantir que todo cidadão merece uma moradia digna e condições de vida aprimoradas. O programa, transmitido pelas redes sociais do CanalGov e pelos canais abertos de rádio e TV da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), trouxe à tona as melhorias implementadas no novo Minha Casa, Minha Vida.

Em um bate-papo com rádios de todas as regiões do país, Jader Filho destacou o diálogo contínuo com movimentos sociais, governadores, municípios e iniciativa privada para expandir o alcance do programa, beneficiando as famílias que mais necessitam. O ministro revelou que mais de 17 mil unidades habitacionais paralisadas foram retomadas, e mais de 10 mil famílias já receberam suas novas casas.

Mais do que apenas construir moradias, o Minha Casa, Minha Vida busca proporcionar infraestrutura adequada, como saneamento básico, acesso a serviços públicos, saúde e educação, garantindo que os beneficiados vivam com dignidade.

As inovações no programa têm ganhado destaque nas redes sociais, mostrando o comprometimento do governo em oferecer oportunidades de moradia digna para todos os brasileiros. Com isso, o Minha Casa, Minha Vida avança rumo a um futuro com mais igualdade e qualidade de vida para as famílias em situação de vulnerabilidade.

Acompanhe alguns dos principais trechos
 

MUDANÇAS NO MCMV – Todas têm que ter varanda, essa foi uma exigência do presidente Lula desde o primeiro dia, para que possa ser um ambiente mais agradável para as famílias. Outras modificações são equipamentos e materiais que estejam compatíveis com a sustentabilidade.
 

CARACTERÍSTICAS SOCIAIS – Respeitamos as características sociais em todas as regiões no Brasil. No Norte e Nordeste, por exemplo, todas as unidades precisam ter gancho para que as pessoas possam atar suas redes.
 

ANÁLISE DE TERRENO – A localização dos terrenos agora é uma preocupação importante. Eles não podem ficar distante de centros urbanos, precisam estar próximos de comércio para que as pessoas possam comprar o que precisam. É preciso ficar perto da creche, do posto de saúde, da escola.
 

SEGURANÇA PÚBLICA – Temos dialogado com estados e municípios, retomando o pacto federativo, para que a segurança seja ainda maior. O MCMV não pode ser mais um problema, tem que ser uma solução. A questão da segurança pública é uma das principais atenções que tivemos na construção de novas portarias para o programa. A questão do tamanho do condomínio também afeta a segurança. Vimos que os condomínios que deram certos foram os que tiveram menor quantidade de unidades habitacionais. Além da segurança, cria-se um sentimento de pertencimento.
 

FINANCIAMENTO SEM ENTRADA – A principal dificuldade é a questão da entrada. As pessoas normalmente já têm o valor da parcela, mas muitas vezes o aluguel que elas pagam é menor do que a parcela que vão pagar. Nós aumentamos o subsídio do Governo Federal de 47,5 mil reais para 55 mil reais. Desde 2017 não havia atualização no valor. Outra vantagem é que diminuímos o valor do juros, buscando prefeitura e estados para somar esforços e com isso ter a capacidade de não só zerar a entrada, como abater parte das parcelas.
 

MCMV RURAL – Fizemos atualização na questão da renda e na questão dos materiais, ampliamos o número de unidades que serão contratadas, entendendo que a gente precisa tratar do pescador, ribeirinho, extrativista, pequeno agricultor, para que todo mundo tenha moradia digna.
 

DESASTRES NATURAIS – Sobre a questão de pessoas afetadas por desastres naturais, nós separamos uma quantidade significativa do Minha Casa, Minha Vida para atender pessoas que estão passando por esses problemas ou morando em áreas de risco.
 

OUTRAS POLÍTICAS PÚBLICAS – Obviamente é necessário cuidar não só da questão da habitação, mas da mobilidade, do saneamento. É importante ouvir as características e necessidades da periferia para que possam ser feitas políticas públicas que façam sentido para essas pessoas. Entender o que a periferia pensa da questão da comunicação, educação, cultura, saúde, para que a gente possa discutir de maneira transversal com outros ministérios.
 

DÉFICIT HABITACIONAL – A gente só vai conseguir avançar nessa questão se o Minha Casa, Minha Vida for perene. A gente precisa ter políticas de Estado que não parem. Vamos buscar também prédios abandonados nos centros urbanos, trazendo vida pro lugar. Assim, teremos dois ganhos: deixamos as pessoas morando perto de centros urbanos, perto de escola, comércio, saúde, onde tem toda uma estrutura estabelecida. E também revitaliza-se os centros históricos.
 

COP30 – O principal tema das outras reuniões tem sido a Amazônia, então nada melhor do que as pessoas conhecerem para entender a problemática e as soluções. Com isso, as pessoas irão discutir as soluções climáticas que envolvem a Amazônia para entender o problema. Afinal de contas, são 30 milhões de brasileiros que vivem lá e eles precisam ser enxergados pelo mundo. O Brasil é um dos países que mais luta contra a questão do desmatamento, que tem as suas fontes energéticas de maneira renovável, mas precisamos discutir com o mundo, saber o que o mundo pensa. Essa responsabilidade não pode ser só do Brasil. Se a Amazônia ajuda a questão climática no mundo todo, o mundo todo precisa olhar para isso. As grandes potências precisam ter responsabilidade e ajudar na questão do combate, encontrar alternativas para as pessoas que moram ali.

Fala Barreiras