Siga-nos

Brasil

CPI da Pandemia: Confira o que disse Eduardo Pazuello no seu primeiro dia de depoimento

O ex-ministro da saúde, Eduardo Pazuello, disse à CPI da Pandemia que saiu do Ministério com sentimento de “missão cumprida”.

Publicado

em

Nesta quarta-feira (19), o ex-ministro da saúde, Eduardo Pazuello, prestou depoimento na CPI da Pandemia, instaurada para apurar as eventuais falhas do Governo Federal no enfrentamento à pandemia de COVID-19, especialmente no episódio de caos no Amazonas em função da falta de oxigênio no estado.

O ex-ministro Eduardo Pazuello tem sido apontado como um dos principais responsáveis pelo agravamento da crise sanitária em Manaus e no resto do país, pelo atraso na compra das vacinas, bem como pela falta de diretrizes claras e eficientes de enfrentamento ao novo coronavírus e que deveriam ser fornecidas pelo Ministério da Saúde.

E apesar de ter conseguido um Habeas Corpus, concedido pelo Ministro Ricardo Lewandowski do STF, Pazuello não permaneceu em silêncio durante seu depoimento à Comissão da CPI no Senado.

Em compensação, sua fala foi marcada por contradições em relação a outras declarações que o próprio ministro deu anteriormente, bem como distorções de fatos que ocorreram nos últimos meses e que podem ter contribuído para que o país ultrapassasse a marca dos 430 mil mortos por COVID-19.

Confira as principais declarações do ex-ministro durante seu depoimento à CPI.

Falta de oxigênio em Manaus

O ex-ministro da Saúde afirmou à CPI que, de acordo com as informações que ele teve acesso, Manaus ficou sem oxigênio apenas por cerca de 3 dias em janeiro. A fala provocou indignação entre os senadores amazonenses que acusaram Pazuello de mentir.

“Informação errada, mentirosa. Não faltou oxigênio no Amazonas apenas três dias. Faltou oxigênio na cidade de Manaus por mais de 20 dias. É só ver o número de mortos. É só ver o desespero”, declarou o senador Eduardo Braga (MDB-AM).

O senador ainda comentou que foram as doações da população e de artistas como o cantor Gusttavo Lima e o ator Paulo Gustavo, que faleceu em decorrência de COVID-19, que ajudaram o estado amazonense durante a crise, enquanto o Ministério se mobilizava para enviar oxigênio ao local.

Pazuello também afirmou que só ficou sabendo da falta de oxigênio no Amazonas no dia 10 de janeiro e que fez o que era possível, a partir dessa data, para ajudar o estado.

“Não alertaram [antes], apenas no dia 10 à noite, pessoalmente. Eu acredito que as medidas possíveis a partir do dia 10 foram executadas, todas executadas”, disse o ministro.

No entanto, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), disse em depoimento à Polícia Federal, que o secretário de Saúde do Amazonas, Marcellus Campelo, contou que falou com Pazuello sobre o desabastecimento de oxigênio no dia 7.

“Não. Ele disse que dia 7 ele falou comigo, mas ele não disse no depoimento que me alertou sobre colapso de oxigênio”, respondeu o ex-ministro.

Além disso, a Advocacia-Geral da União enviou um documento ao Supremo Tribunal Federal (STF) ainda em janeiro no qual afirma que o Governo sabia da situação do Amazonas 10 dias antes do estoque de oxigênio acabar no estado.

CPI da Pandemia: Confira o que disse Eduardo Pazuello no seu primeiro dia de depoimento
Senador Eduardo Braga durante depoimento de Eduardo Pazuello à CPI da Pandemia. Foto: Diário de Pernambuco.

Ex-ministro afirma que respondeu os contatos da Pfizer

Contrariando o que disse o gerente-geral da farmacêutica Pfizer na América Latina, Carlos Murillo, que prestou depoimento à CPI na última semana, Pazuello afirmou que respondeu diversas ofertas de compra de vacinas contra a COVID-19 feitas pela Pfizer.

Carlos Murillo havia declarado na CPI que o Governo não respondeu nenhuma oferta até dezembro de 2020. O ex-secretário de Comunicação do governo, Fábio Wajngarten, que também depôs na CPI da pandemia, também declarou que a uma carta da Pfizer para o Presidente Jair Bolsonaro e os ministros havia ficado sem resposta.

“Como é que não houve respostas? Nós tivemos 20 respostas para a Pfizer, de agosto a dezembro. Nós estávamos falando com a Pfizer ininterruptamente. Nós respondemos inúmeras vezes à Pfizer, eu tenho todas as respostas aqui. De agosto a dezembro. Eu tenho todas as comunicações com a Pfizer”, afirmou Pazuello.

O Presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), pediu que o ex-ministro apresente os documentos que comprovem sua versão dos fatos.

Pazuello explica o comportamento de Bolsonaro

Questionado sobre a falta de alinhamento entre as orientações do Ministério da Saúde e as atitudes do Presidente Jair Bolsonaro, que não segue nenhuma dessas recomendações, Pazuello afirmou que o Chefe de Estado olha para a situação de outra forma e não pensa apenas na saúde.

“Eu acredito, e aí vem uma posição muito pessoal minha, que o presidente da República tem na cabeça dele outros pensamentos quando ele está agindo dessa forma. Ele está, na minha visão, tratando também a parte do psicossocial, a parte da posição do povo em acreditar que isso aí vai passar. Isso é uma análise minha; eu nem quero dizer que seja essa a análise dele”, disse Pazuello.

Pazuello afirma que cumpriu sua missão no Ministério da Saúde

Eduardo Pazuello ainda disse à CPI da Pandemia que foi demitido porque estava com a “missão cumprida”.

No entanto, o presidente da CPI, Omar Aziz, afirmou que Pazuello não deve mentir em seu depoimento e questionou sua declaração, já que sua gestão foi marcada por alta no número de casos e mortes causadas pelo novo coronavírus.

“Missão cumprida? Eu acho que não houve missão cumprida. Nós perdemos todas as batalhas”, afirmou Aziz.

Ex-ministro passa mal e sessão da CPI da Pandemia é interrompida

Durante o intervalo da sessão da Sessão da CPI da pandemia, Pazuello passou mal. De acordo com o senador Otto Alencar, que também é médico e atendeu o ex-ministro, Pazuello sofreu uma síndrome vasovagal, comum em momentos de nervosismo. Por isso, seu depoimento foi interrompido e será retomado na quinta-feira (20).

CPI da Pandemia: Confira o que disse Eduardo Pazuello no seu primeiro dia de depoimento

Seja integrante de nossos grupos de WhatsApp!
Falabarreiras Notícias 20
Falabarreiras Notícias 42
Falabarreiras Notícias 43

Fala Barreiras