Siga-nos

Brasil

BOLSA FAMÍLIA:
Saiba quem pode perder o benefício em 2023

O principal objetivo do pente-fino é identificar cadastros duplicados da mesma família. Entenda.

Publicado

em

Imagem ilustrativa | Foto: Reprodução Antena Políca

Em fevereiro começa o pente-fino do Bolsa Família. A medida anunciada pelo presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, desde novembro de 2022, será colocada em prática pelo Ministério do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome. Isso porque o Governo Federal suspeita que muitas famílias estejam utilizando mais de um cadastro para receber o benefício em dobro do governo.

É através do CadÚnico (Cadastro Único) que o banco de dados do governo salva todas as informações dos beneficiários. A Dataprev analisa os dados pessoais dos beneficiários. O pente-fino também contará com o apoio do Ministério do Planejamento. Na prática será feita uma averiguação cadastral no intuito de conferir se os atuais beneficiários cumprem à risca os critérios de elegibilidade do programa. A verificação abrange não só o cumprimento das normas do programa em si, como também do sistema do CadÚnico.

Para se inscrever no CadÚnico, a família deve apresentar uma renda mensal de até meio salário mínimo por pessoa, ou seja, R$ 651,00 ou três salários mínimos como renda familiar, R$ 3906,00.  Se o grupo familiar se enquadrar nas condições solicitadas, basta procurar o Centro de Referência em Assistência Social (CRAS) mais próximo, situado no município em que reside.

De acordo com o governo, o pente-fino é necessário, pois o aumento das famílias unipessoais (com apenas uma pessoa), cresceu consideravelmente em menos de um ano. Foram registrados uma média de 5 milhões de cadastros novos em apenas 11 meses, entre setembro de 2021 e agosto de 2022. Esse aumento ocorreu pelo fato de não ter sido mais necessário que o beneficiário se apresente no CRAS (Centro de Referência de Assistência Social) para validar sua inscrição, devido a pandemia da Covid-19.

Segundo informações do Ministério do Desenvolvimento Social, cerca de 10 milhões de famílias estão com alguns dados em branco ou estão desatualizados no sistema. Além disso, 2,5 cadastros estão sob suspeita de fraude. Com isso, a família que estiver com algum tipo de irregularidade no cadastro, será chamada para uma reunião no CRAS de seu município. Desta forma, será o momento de comprovação que a família realmente necessite do benefício social.

Caso a família não consiga comprovar que realmente necessite do Bolsa Família, não receberá mais o pagamento. Se a família não se desligar do programa, o próprio governo fará o desligamento.

Fala Barreiras