Siga-nos

Meio Ambiente

Áreas degradadas da microbacia do riacho Sarapó, em Riachão das Neves (BA), recebem intervenções da Codevasf

As medidas aumentam a disponibilidade de água na região

Publicado

em

Ascom Codevasf

A Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) investiu R$ 1,2 milhão em ações de revitalização e desassoreamento na microbacia do riacho Sarapó, no município de Riachão das Neves — situado na porção intermediária da bacia hidrográfica do rio São Francisco na Bahia. As medidas aumentam a disponibilidade de água na região, facilitam a infiltração de água no solo e protegem nascentes e cursos d’água. O trabalho foi coordenado pela 2ª Superintendência Regional da Codevasf, sediada em Bom Jesus da Lapa (BA).

“Obras como essa garantem a segurança hídrica dos cidadãos e fazem parte do nosso portfólio de sucesso em empreendimentos de revitalização das bacias nas áreas em que atuamos”, afirma Fábio Miranda, diretor da Área de Revitalização de Bacias Hidrográficas da Companhia.

Entre as ações empreendidas pela Codevasf estão o plantio de 20 hectares de plantas de espécies nativas, a proteção de áreas com 18,5 mil metros de cercas, a dragagem de seis mil metros cúbicos de sedimentos e a implantação de 30 metros cúbicos de barragens de pedras para contenção de sedimentos.

“Revitalização da bacia do rio São Francisco é uma das atividades em que atuamos com muito afinco e dedicação na superintendência. O processo de proteção das nascentes e dos afluentes está sendo intensificado para que o repositório de águas seja determinante para o desenvolvimento sustentável da área da bacia”, diz Harley Nascimento, superintendente da Codevasf na região.

As intervenções no local também incluíram o plantio de plantas forrageiras e a construção de paliçadas, terraços, passagens molhadas e barraginhas (bacias de acumulação e infiltração de água das chuvas) — além de readequação de estradas de terra. Os serviços e obras foram executados numa área de drenagem de aproximadamente 39 km², a montante da barragem sobre o leito do riacho Sarapó, localizada acima do povoado de Canudos.

“Decorrente da aceleração dos processos de degradação ambiental e da diminuição das chuvas na região, as nascentes que alimentam o riacho praticamente secaram, tornando-se ativas somente no auge dos períodos chuvosos. O lago da barragem foi assoreado em decorrência do intenso processo erosivo nas encostas da serra, tendo a sua capacidade de armazenamento de água eliminada”, explica Antônio do Carmo, chefe do escritório da Companhia em Barreiras — vinculado à 2ª Superintendência Regional da Codevasf.

O riacho Sarapó nasce na serra dos Tapuias, no povoado de Canudos, em Riachão das Neves. Ele é a principal fonte de água para a comunidade, para consumo humano, para a agricultura e para a pecuária local. Com o objetivo de melhorar a disponibilidade de água para a comunidade, a Codevasf construiu, na década de 1980, uma pequena barragem no leito do riacho, abaixo das nascentes localizadas na encosta da serra. Os serviços de desassoreamento do lago da barragem, realizados recentemente, ocorreram por meio de escavação mecanizada submersa, para recuperar a capacidade de armazenamento de água da barragem e promover limpeza no entorno.

“O riacho é a própria razão da origem e da existência do povoado, além de ser o único curso d’água da região. Justamente por isso ele tem tanta importância para a comunidade de Canudos. Devidamente recuperado, poderá ser a principal fonte de água para a população local”, diz Antônio do Carmo.

A implantação de cercas na localidade foi realizada para proteger áreas de proteção permanente, o corpo hídrico e nascentes. Já para conter o processo de erosão, evitar o surgimento de ravinas e voçorocas e aumentar a capacidade de infiltração da água no solo, foram realizadas a revegetação de áreas erodidas — com plantas nativas e forrageiras — e a construção de paliçadas e terraços.

“Além dos benefícios do ponto de vista ambiental, caracterizado pelo início de recuperação de um processo severo de degradação ambiental, revitalização de nascentes e produção de água, o projeto contempla aspectos sociais relevantes, uma vez que, recuperado, o riacho terá a capacidade de fazer o abastecimento de água para o consumo humano de aproximadamente duas mil pessoas. Contempla também aspectos econômicos, visto que dará suporte às pequenas lavouras de subsistência e dessedentação animal”, afirma Antônio do Carmo.

As intervenções de readequação de estradas rurais tiveram por objetivo aperfeiçoar a macrodrenagem de águas pluviais, evitar processos erosivos e permitir armazenamento e infiltração das águas em barraginhas. A construção de barragens de pedra, por sua vez, permitirá o controle do processo de assoreamento do lago da barragem e a diminuição do impacto do aumento de vazão do riacho nos períodos de chuva. As passagens molhadas, por outro lado, melhorarão as condições de tráfego de veículos sobre o riacho e minimizarão danos ao corpo hídrico.

“A ação buscou recuperar as áreas degradadas com o objetivo de resgatar um sistema similar ao original. O riacho é a fonte de água local. Além disso, tem grande importância cultural e social para a população”, afirma Gleison Silva, técnico de segurança do trabalho e morador local, que participou das ações. “As barraginhas e represas estão minando sempre para o lado do riacho. As ações melhoraram o estado local. A tendência é só melhorar. Nós gostamos do projeto”, acrescenta Felisberto Santos, outro morador da região.

Barreiras Notícias - Fala Barreiras