Siga-nos

Literatura

Conheça a escritora de Barreiras que acumula publicações e sonha em tornar a leitura mais acessível

A psicóloga e escritora Giovana Leite conversou com o Fala Barreiras e contou detalhes sobre sua história e seus planos para o futuro.

Publicado

em

Autora de textos publicados em 12 antologias diferentes e premiada no II Prêmio Internacional Mulheres das Letras, com apenas 24 anos de idade, a psicóloga e escritora Giovana Fernandes Leite já acumula muitas conquistas. E ela alcançou esses resultados utilizando uma das ferramentas que mais ama: a escrita.

Para conhecer melhor sua trajetória inspiradora e seus planos para o futuro, o Fala Barreiras entrou em contato com a escritora Giovana Leite, que concedeu uma entrevista em vídeo para contar mais detalhes dessa história inspiradora.

Confira os principais pontos dessa conversa abaixo:

Trajetória marcada por dedicação e persistência

Conforme seu revelou anteriormente ao Fala Barreiras, a psicóloga e escritora Giovana Leite relembrou a sua trajetória até finalmente começar a publicar seus textos. Quem pensa que foi fácil, está enganado.

No entanto, com uma rede de incentivo repleta de profissionais interessados em cultivar o seu interesse pela escrita, essa paranaense de Umuarana e barreirense de coração encontrou o apoio necessário para desenvolver não só a escrita, mas também o hábito da leitura.

“Desde pequena eu já fui me envolvendo com os livros, já fui começando a gostar de ler. Eu tive muito apoio das escolas onde estudei, lá no Paraná também, onde as professoras incentivavam bastante”, relata Giovana.

Já na graduação de psicologia, a escritora teve que equilibrar a rotina de estudos com o gosto pela leitura e escrita. Felizmente, ela relata que encontrou algumas pessoas que a incentivaram a se dedicar mais ao universo da escrita.

Apesar dos desafios – e das muitas negativas que enfrentou – Giovana persistiu e conseguiu até realizar o que, até então, não parecia possível – ver seus textos publicados em livros.

“Às vezes as pessoas acham que nossa vida é só um crescimento reto, para cima, como se a gente não tivesse alguns percalços. E às vezes a gente tem obstáculos e tudo isso faz parte da nossa história”, lembra a escritora.

Inspiração em vivências e sentimentos

Com uma produção tão vasta de textos, muitos podem se perguntar como a jovem consegue produzir tanto. De onde ela tira tanta inspiração? De acordo com a psicóloga, essa inspiração é resultante de dois polos muito familiares para todos os seres humanos – a euforia da felicidade e o sofrimento causado pela revolta, sentimento de injustiça e o desconforto.

“Às vezes eu escrevo em momentos de muita euforia, muita felicidade, quando uma coisa muito boa acontece, algo que realmente enche meu ser de alegria, de felicidade, coisas que me deixam mesmo contente, mas às vezes também vem de momentos de muito desconforto, de revolta, de momentos que me sinto injustiçada, sinto as injustiças sociais. Então, a minha inspiração vem mais ou menos desse contato com o sentimento que eu tenho nesse tipo de situação”, explica a escritora.

Por isso, Giovana Leite também reforça que, quem deseja melhorar sua escrita e/ou se tornar um escritor, pode aproveitar esses momentos antagônicos para desenvolver sua escrita.

“Acho que é importante que, mesmo com a correria do dia a dia, para quem escreve, para quem quer começar a escrever, tirar um dia ou outro para escrever sobre seus sentimentos. E é importante que a inspiração não seja podada, porque às vezes, quando a gente vai começar a escrever, a gente quer escrever perfeitamente, sem erro nenhum. E às vezes essa cobrança pela perfeição faz com que a gente procrastine, com medo de errar. (…) Eu acredito que o esforço também é importante, se dedicar àquilo que a gente gosta, acreditar que a gente pode fazer a diferença na arte, literatura, na cultura”, explicou a escritora.

Conheça a escritora de Barreiras que acumula publicações e sonha em tornar a leitura mais acessível

Conexões que abrem portas para uma escritora cheia de sonhos

Embora desenvolver sua escrita e produzir bons textos sejam etapas fundamentais para se tornar um escritor, Giovana Leite acredita que são as conexões que você estabelece com outras pessoas que abrem muitas portas para ganhar visibilidade e ter acesso ao meio literário.

Foi assim, por exemplo, que ela conseguiu indicações para participar de alguns processos seletivos que resultaram em prêmios, publicações e até nomeações para Academias Literárias de todo o país, incluindo a Federação Brasileira dos Acadêmicos das Ciências, Letras e Artes (FEBLACA).

“Eu acredito que uma das grandes coisas da jornada literária hoje, principalmente através das redes sociais, são as conexões que a gente faz com as pessoas que também escrevem, que também trabalham com isso. (…) Muitas dessas pessoas que eu conheci em prêmios e antologias, elas fazem parte de antologias literárias. E aí a gente conversando, lendo os textos e as poesias umas das outras, surgiu o convite para participar dessas academias. No momento, de forma online, digital, sem posse presencial por enquanto”, conta a escritora.

Giovana Leite deseja inspirar leitores e escritores

Num país onde tantas pessoas ainda não encontraram o prazer da leitura, a escritora Giovana Leite deseja fazer a diferença. Ela entende que os obstáculos sociais que as pessoas enfrentam para ter acesso aos livros e acredita que muitas mudanças sociais podem ser resultantes da literatura, da educação, da cultura e da arte.

“Eu tenho muita vontade, espero mesmo poder contribuir de alguma forma, mesmo que mínima, mesmo que dentro das minhas limitações, que eu realmente possa de alguma forma inspirar as pessoas a lerem mais ou a também escreverem, escreverem para si, não necessariamente para publicação. Se elas quiserem publicar, que seja no momento delas, quando elas se sentirem a vontade”, declara a escritora.

Escritora revela seus próximos passos

Como toda boa escritora, Giovana revela que um dos seus planos para o próximo ano é investir na publicação do seu primeiro livro. Além disso, ela deseja utilizar essa obra como ponto de partida para investir em projetos sociais de incentivo a leitura, especialmente em Barreiras.

“Através dessa publicação, espero que eu também consiga fazer mais projetos literários, principalmente aqui em Barreiras. Sei que existem algumas bibliotecas por aqui, mas não sei como está o acesso das demais comunidades, das demais pessoas às bibliotecas, então eu gostaria de trabalhar num evento, tanto literário, quando com alguma instituição que promovesse um acesso a leitura maior”, revela a escritora.

Além disso, a partir do dia 2 de agosto, a jovem irá começar a assinar uma coluna sobre Psicologia aqui no Fala Barreiras. Além de psicóloga e escritora, Giovana está cursando mestrado na PUC de Goiânia, onde realiza pesquisa na área de surdez, psicologia e representações sociais. Por isso, ela tem muito o que contribuir, com o seu conhecimento, para informar as pessoas.

“Eu vou tentar casar duas coisas que eu amo, que é a psicologia e a literatura. Eu coloquei psicologia cotidiana porque, da mesma forma que eu acredito que o acesso à literatura, que o acesso aos livros, ele deveria ser uma coisa menos complicada, deveria ser uma coisa mais facilitada, eu acredito que a psicologia também deve seguir esse caminho. Então, dentro do nosso dia a dia, dentro do nosso cotidiano, a psicologia vai estar inserida em tudo que a gente faz. (…) A psicologia enquanto ciência já foi mais distante do grande público, era mais específica à um grupo específico da sociedade. E hoje não, eu acredito que ela deve estar se tornando cada vez mais ampla, cada vez mais acessível. E esse é o meu objetivo para a coluna”, explica a psicóloga.

Por isso, vale a pena aguardar para conhecer seus textos na sua nova coluna.

Aqueles que tiverem interesse em conversar e conhecer mais o trabalho de Giovana Leite, podem entrar em contato com ela através do seu instagram @leitegiovana.

Fala Barreiras