Siga-nos

Barreiras

Surto de dengue em Barreiras! Entenda o aumento do número de casos na cidade

O Coordenador do Centro de Controle de Zoonoses, Dorimar Almeida, explica o que há por trás do crescimento de casos de dengue no município…

Publicado

em

Dengue

Além dos problemas relacionados à COVID-19, Barreiras também tem enfrentado um outro desafio preocupante: o aumento do número de casos de dengue na cidade. O número de pessoas contaminadas com Zica e Chikungunya também cresceu e acendeu o alerta para o perigo que essas doenças oferecem à população.

Porém, apesar do crescimento de pessoas contaminadas por dengue, para o Coordenador do Centro de Controle de Zoonoses de Barreiras, Dorimar Almeida, ainda não é hora de falar em epidemia. Durante entrevista exclusiva ao canal do Youtube do Fala Barreiras, Dorimar explicou o que está acontecendo na cidade e como a Zoonoses tem atuado para tentar conter o avanço da doença.

Vale lembrar que o Centro de Controle de Zoonoses de Barreiras é o responsável por administrar a equipe de endemias na cidade. Por isso, eles têm os dados e conhecem os protocolos relacionados à prevenção e monitoramento de dengue, entre outras doenças, no município.

Veja ao final desta matéria o vídeo completo com a entrevista de Dorimar Almeida sobre a Dengue em Barreiras!

Como é o trabalho da equipe de combate à dengue?

De acordo com Dorimar Almeida, o trabalho de combate à dengue em Barreiras acontece em 6 ciclos, seguindo critérios estabelecidos pelo Ministério da Saúde.

Em cada ciclo, os agentes visitam as residências e orientam a população quanto ao perigo oferecido pelo mosquito Aedes aegypti, responsável pela transmissão da dengue, Zica e Chikungunya.

Dengue: Onde está o fumacê?

Um dos mecanismos de prevenção mais famosos de combate à dengue é o fumacê, nome popular dado àquele veículo que percorria todas as ruas da cidade para pulverizar inseticida. No entanto, Dorimar explica que essa estratégia de combate à dengue não está mais sendo utilizada, pois oferece risco aos outros animais. Agora, a Zoonoses utiliza o fumacê apenas em situações e locais específicos.

“O fumacê de antigamente foi praticamente banido, proibido, porque ele matava todo tipo de inseto urbano. A gente continua hoje com o fumacê, com a bomba costal motorizada, mas de forma centralizada, em locais definidos, em residências onde tem casos suspeitos de dengue, Zica ou Chikungunya, que tenham mosquito Aedes aegypti. Ou então a gente está fazendo (fumacê) nos bairros em geral, onde tem um índice mais elevado”, explicou o Coordenador.

Dorimar ainda falou que, no momento, existem 2 equipes trabalhando com o fumacê na cidade. Quando necessário, essas equipes trabalham com o fumacê entre 6h e 8h30, ou entre 16h e 19h, períodos nos quais os mosquitos Aedes aegypti estão voando.

Veja ao final desta matéria o vídeo completo com a entrevista de Dorimar Almeida sobre a Dengue em Barreiras!

Dengue: Não é epidemia

Outro dado interessante revelado por Dorimar Almeida é que ainda não é possível dizer que Barreiras está sofrendo uma epidemia de dengue. Pelo que os dados mostram, o índice de contaminação da doença ainda não caracteriza epidemia.

Porém, os números mostram que a cidade está enfrentando um surto da doença, provavelmente em função do período de chuvas, quando o número de casos de contaminados geralmente aumenta.

“Hoje a gente está com um índice geral de 0,64%. O aceitável no Ministério da Saúde é 1%. A gente ainda está abaixo. A gente pode elevar um pouquinho esse índice, mas não é um índice que dá para dizer que é uma epidemia de dengue”,

explicou Dorimar.

E para evitar que a situação de surto se transforme numa epidemia, as equipes de endemia estão trabalhando de acordo com o número de casos suspeitos dessas doenças, não de casos confirmados, em função da demora para ter a confirmação dos casos.

Dengue: Bairros mais atingidos

Ainda de acordo com o Coordenador da Zoonoses de Barreiras, os bairros Sombra da Tarde, Santa Luzia, Vila dos funcionários, Santo Antônio, são alguns que apresentam o maior índice de contaminação do município.

Por isso, as equipes de endemia têm realizado ações nesses bairros para orientar e retirar de produtos que possam servir para proliferação para o mosquito.

Veja ao final desta matéria o vídeo completo com a entrevista de Dorimar Almeida sobre a Dengue em Barreiras!

Dengue

Dengue: Falta consciência

Dorimar ainda relata que o descuido de muitos moradores tem criado o cenário ideal para que o mosquito da dengue se propague na cidade. Segundo ele, os agentes de endemias não conseguem entrar em terrenos abandonados e cheios de mato para verificar se tem algum foco com larvas dos mosquitos nesses lugares.

Outro problema é que alguns terrenos estão sendo utilizado para o descarte incorreto de pneus, ferro velho e todo tipo de objeto que, após a chuva, se transformam em focos de mosquitos.

“O que eu peço e solicito à população, que se preocupou muito com o COVID-19 e esqueceu a dengue, esqueceu de cuidar do seu próprio quintal, é que faça essa limpeza. Tira um tempinho, tira uma hora para fazer essa limpeza desse terreno, para tirar esses entulhos para a prefeitura fazer o recolhimento (…) Comece a cuidar do seu quintal, limpe o seu terreno baldio”, alerta Dorimar.

Dengue: Entre em contato com a Zoonoses

Caso o cidadão queira fazer alguma denúncia, solicitar algum serviço ou tirar dúvidas, basta entrar em contato com o Centro de Controle de Zoonoses de Barreiras através do número (77) 3613-6700.

Em casos mais urgentes, a pessoa pode entrar em contato com o próprio Dorimar através do telefone (77) 9 9940-5826. O coordenador explica que, geralmente, as demandas são atendidas em até, no máximo, 48h.

Para conferir a entrevista completa com Dorimar Alves, assista o vídeo abaixo.

Seja integrante de nossos grupos de WhatsApp!
Falabarreiras Notícias 01
Falabarreiras Notícias 02
Falabarreiras Notícias 20
Falabarreiras Notícias 42
Falabarreiras Empregos 01
Falabarreiras Empregos 15
Falabarreiras Empregos 16

Fala Barreiras