Siga-nos

Educação

Diretora, cuidadora e professora serão ouvidas pela polícia nesta terça-feira, após denúncia por crime de importunação e constrangimento em escola de Barreiras

Em nota, a secretaria de educação de Barreiras informou à comunidade que a demissão da cuidadora contratada foi providenciada e que a professora concursada passará por processo administrativo…

Publicado

em

Importunação

Escola Municipal Mirandolina Ribeiro Macêdo, palco do imbróglio | Foto: Reprodução Prefeitura Municipal de Barreiras

A Escola Municipal Mirandolina Ribeiro Macêdo, considerada escola modelo em Barreiras é resultado da fusão da Escola Municipal Dr. Renato Gonçalves e da Escola Municipal do Parque, funcionando em prédio escolar municipal situado à Rua das Turbinas, s/nº, Barreirinhas, atende crianças desde a educação infantil ao ensino fundamental onde desenvolve desde sua inauguração um  trabalho voltado para a construção de uma relação positiva com a comunidade de Barreiras, algo  muito importante para o desenvolvimento da escola e dos  alunos. 

Entretanto, na manhã da sexta-feira (17 de junho), a população de Barreiras foi surpreendida com a denúncia de que uma professora e uma cuidadora estariam praticando o crime de importunação e constrangimento contra as crianças de uma turma dessa escola, através de um jogo de dados.

Em reportagem produzida pela TV Oeste para o Jornal da Manhã, o delegado Francisco Carlos de Sá, responsável pela investigação do caso, relatou que o fato está sendo investigado pela polícia e será encaminhado ao ministério público. Em nota, a secretaria de educação de Barreiras informou à comunidade que “a demissão da cuidadora contratada, possuidora de cargo temporário foi providenciada e que a professora concursada passará por processo administrativo”.

De acordo com Neuraci, diretora da escola, tanto ela como a cuidadora e a professora irão depor nesta terça-feira, 21 de junho, e cada uma contará sua versão dos fatos para que o caso seja esclarecido.

Conforme informa Neuraci, responsável pela escola O ocorrido foi no finalzinho da tarde de segun da-feira. Quando o pai ligou para mim, eu ainda estava na rua, vindo da escola, saí um pouco mais tarde porque fiquei lá resolvendo uns problemas. A gente libera os alunos e os últimos alunos a sair da escola, quer dizer, a ser liberado, às dezessete e quarenta e cinco, os que ficam lá depois disso é por parte de atraso dos pais. Mas aí eu acho que era por volta das dezenove horas quando o pai ligou para mim e na mesma hora eu informei a Secretaria de Educação e as duas foram chamadas na secretaria, no outro dia, logo cedo, no primeiro momento. E como eu falei, a cuidadora foi demitida logo de imediato e a professora recebeu a advertência e vai passar pelo processo administrativo. Mas o caso está sendo apurado e elas vão, nós vamos para a delegacia depor”

.

De acordo com informações do assessor especial da Secretaria Municipal de Educação, Aparecido Freitas, que ouviu as envolvidas, a cuidadora era contratada para cuidar de alunos com necessidades especiais, porém, nesse dia a criança que ela cuida não foi e ela foi brincar com os outros alunos. Freitas informa ainda que tomou conhecimento do fato no dia treze às vinte horas e já no dia catorze, após ouvir tanto a professora como a cuidadora, resolveu demitir sumariamente a cuidadora por considerar o ocorrido como um fato indevido, já que  aquela brincadeira com dado é uma brincadeira de adulto em que a pessoa que está jogando tem que pagar uma prenda (as prendas são ações que os jogadores devem fazer no caso de perda ou erro em um jogo) e que jamais poderiam deixar crianças brincar e isso não poderia ocorrer na escola.

Segundo ele, a professora regente da turma informou que não viu o que aconteceu porque estava tomando a lição dos demais alunos, mas é culpada por omissão de não ter visto isso acontecer. Conforme o assessor, a cuidadora não sugeriu que a criança beijasse a outra, mas foi uma brincadeira inconsequente que não deveria ser realizada por criança e que jamais poderia ter ocorrido na escola.

Ainda de acordo com Freitas, a Secretaria de Educação está aguardando a determinação da justiça e tudo o que vai se desenrolar com o que o delegado vai investigar, mas de qualquer forma, foi algo que não deveria ter acontecido e que eles estão tomando todas as providências necessárias para corrigir isso e para que fatos como esse não voltem mais a acontecer na rede municipal de ensino.

Procurada pelo Fala Barreiras, a professora envolvida nesse caso demonstrou estar muito abalada com o ocorrido e não conseguiu declarar sua versão dos fatos por estar à base de calmantes. Já a cuidadora, sumariamente demitida pela Secretaria de Educação, não foi localizada pela equipe do Fala Barreiras.  Deste modo, espera-se que o caso seja esclarecido o mais breve possível para que nenhuma injustiça seja cometida contra as pessoas envolvidas.

Fala Barreiras