Siga-nos

Construção Civil

Conheça quais são as vantagens da arquitetura sensorial

Publicado

em

Imagem meramente ilustrativa | Foto: Freepik

A arquitetura sensorial é um estilo arquitetural que visa uma completa imersão em um imóvel. O seu foco é trazer uma experiência de profusão de sensações ao usuário por meio do recrutamento de todos os seus sentidos. 

Aroma, sons, iluminação: tudo faz parte desse modelo arquitetural inovador e, decerto, diferente.

Ela pode, por exemplo, exercer uma grande diferença em uma recuperação de fachadas de prédios, utilizando, neles, materiais que levem o usuário a uma nova maneira de aprovar e de conceber a arquitetura.

O foco é fazer com que os indivíduos tenham uma experiência, em um local, que vá além da estética e que atice todos os sentidos. 

Como é possível ver, é um pouco diferente daquela arquitetura prática, pragmática e pouco requintada que faz mais à estética de uma reforma de ponte rolante industrial, por exemplo.

Falar sobre a importância da arquitetura pode parecer evidente, visto que todo “design” é concebido para fornecer conforto e praticidade ao consumidor. O que não é óbvio, entretanto, é a limitação a que a arquitetura sempre se submeteu.

E para arrebatar esse “marasmo”, a arquitetura sensorial aparece, prometendo estimular e incitar as mais variadas sensações aos que ela desfrutam.

Não significa, entretanto, que, por exemplo, um conserto de caixa d água de fibra seja menos complexo ou relevante. A arquitetura sensorial e a tradicional apenas pertencem a necessidades e perspectivas diferentes.

Ao longo dos anos, a tendência é que cada vez mais indivíduos procuram um elo maior com as suas casas, por isso é fundamental que profissionais estejam preparados para lhes fornecer as melhores soluções. Principalmente aquelas que sejam bem aconchegantes.

Conceito de arquitetura sensorial

A arquitetura sensorial pode ser definida como uma real arte de projetar para o usufruto de todas as sensações. Essa projeção possibilita que o design dos espaços se conecte com as pessoas de modo mais emocional. 

Muito mais do que só ver se um local é bonito e harmônico, funcional ou prático, a ideia é possibilitar que a pessoa tenha emoções ao presenciá-lo. Vários edifícios do varejo usam esse conceito para passar e gerar emoções, especialmente certos hotéis e museus atuais. 

Como o setor da hotelaria não pensaria em como atrair seus hóspedes de maneira mais efetiva? Buscando extrair deles os melhores sentimentos e sensações? Vê-se, daí, a importância da questão.

Diversas vezes, a temperatura do espaço já transmite essas sensações, assim como os aromas que exalam. Por exemplo, se um indivíduo estiver em um espaço muito frio, ao entrar em um lobby de hotel bem aquecido, a sensação vai ser de reconforto. 

Já em um local de clima tropical muito quente, um ar condicionado na temperatura correta vai proporcionar o mesmo relaxamento que proporciona para uma pessoa que está em um deserto e busca um oásis, produzindo um bem-estar e frescor.

E quem nunca teve uma enorme sensação de bem-estar ao adentrar um banheiro de hotel, bar ou de outros locais comerciais bem limpos, organizados, lindos e positivamente cheirosos.

São certos estímulos do ambiente e dados visuais, olfativos, auditivos, entre outras, que vão fazer com que o indivíduo sinta a proposta estrutural do espaço.

Como funciona essa arquitetura

Mas a arquitetura sensorial não é só para edificações comerciais. Dentro das residências, essa ideia pode ser muito bem usada, principalmente porque as residências têm em si uma vocação de local emocional.

Com características sensoriais, nos espaços das casas podem ser produzidas sensações de calor, ritmo, tranquilidade, harmonia, bem-estar, seriedade, paz, descanso, relaxamento, entre muitos outros.

Sem dúvida, a forma com a qual os indivíduos experimentam os locais pode impactar a vida deles. Isso já pode até ser definido em uma planta mais humanizada. Só para citar um exemplo, em um projeto de piscina pode ser feito um jardim sensorial.

Além do bem-estar que um espaço verde pode gerar, também é possível criar pergolados com sinos de ventos ou outros itens que criam sons tranquilos e, até mesmo um projeto paisagístico com itens que exalem alguns tipos de aromas. 

Onde costuma ser usada?

Quando se fala em arquitetura sensorial no varejo, também não se pode deixar de destacar a importância nos designs das lojas. A visão é um sentido muito essencial nesses locais, pois faz os clientes se ligarem com o espaço e entenderem o que a marca quer passar.

Alguns hotéis também utilizam a arquitetura sensorial para oferecer uma melhor experiência aos visitantes. A ideia é que o hóspede consiga ter sensações como aconchego, calor, alegria, relaxamento, euforia e várias outras.

Quartos conectados com ambientes externos, jardins perfumados, culinária exclusiva e decoração com texturas são alguns dos exemplos do que causa a ligação emocional com os hóspedes.

Os banheiros também têm destaque na arquitetura sensorial dos hotéis. Banheiras, toalhas macias, cheiros especiais e a presença de flores podem desenvolver um momento quase que inesquecível para os indivíduos.

Até os ruídos de utensílios práticos como um vibrador linear podem fazer a diferença na experiência de um locatário, usuário, morador ou cliente.

As vantagens da arquitetura sensorial

A arquitetura sensorial pode aguçar o senso estético de quem habita uma residência ou está em um local específico.

Dado que, ao trabalhar bem o aspecto de como despertar emoções, o ambiente se torna muito mais interessante. Ainda mais quando esse mesmo espaço desperta o relaxamento.

Por isso, a arquitetura sensorial, tem se mostrado extremamente importante para os indivíduos, trazendo diversos benefícios, vantagens e aspectos interessantes como:

  • Uma iluminação aprimorada;
  • Cores adaptadas a uma boa experiência;
  • Odores conectados à memória emotiva;
  • Sons aconchegantes;
  • Aumento do conforto graças ao uso de texturas adequadas;
  • Adequação da temperatura e da ventilação do ambiente.

Além disso, as experiências sensoriais ligadas ao espaço desenvolvido caminham lado a lado, de modo próximo e íntimo, com a acessibilidade e a flexibilidade na arquitetura e no urbanismo.

A arquitetura sensorial, pode ser como uma perfuração em laje de concreto: o ambiente fica marcado profundamente pelas ações que o arquiteto faz no ambiente de uma determinada residência ou em um ambiente comercial.

É necessário ressaltar que as empresas devem fazer um bom uso dessas técnicas. Dado que, as pessoas, ao entrarem em uma empresa, esperam que sejam impactadas por algum tipo de estratégia de recepção ou de marketing que as impacte com emoções.

Com esses recursos, é possível fazer com que as pessoas comprem da empresa. Pois o ambiente as fizeram decidir isso, ainda que elas não se apercebem disso.

Um local aconchegante, atrai qualquer tipo de pessoa. Não importa se é uma casa ou uma empresa que trabalha fazendo pingadeira de granito.

Dicas para transformar o ambiente

A seguir serão apresentadas algumas dicas para aplicar a arquitetura sensorial. As dicas precisam ser atentamente seguidas, pois o resultado de um ambiente aconchegante vai depender justamente do seu bom manejo. As dicas são:

Permita que a luz entre no ambiente

As casas serão feitas com base na conexão com a natureza à volta. Um tipo de design mais responsivo permitirá que se erijam casas que, por exemplo, se movam à procura do sol. 

Enquanto isso não surge, permita que a luz natural entre por meio das janelas de sua casa sempre. Nunca bloqueie esse contato tão fundamental para aumentar os níveis de bem-estar e promover a saúde.

Construa um espaço de silêncio

A residência é como se fosse um templo. É o aconchego quando se volta do trabalho. O local onde as pessoas recarregam as energias. Para ser uma amiga na hora de ter foco e atenção, é essencial ter espaços de silêncio, que, de vez em quando, são fundamentais.

Por isso, investir em uma moldura de teto de isopor que ajude no isolamento do barulho e de alguns ruídos pode ser muito bom.

Esteja em contato com a natureza

Não é novidade que estar próximo à natureza faz bem. Vários estudos já mostraram o quanto estar em contato com o ambiente natural traz benefícios à saúde da mente, como diminuir o estresse, a ansiedade e até mesmo os níveis de pressão sanguínea.

Então a natureza é como se fosse uma Valvula gaveta flangeada, que se abre e, com isso, ajuda-nos a aliviar o estresse.

Considerações finais

Durante o artigo, foram apresentadas algumas características fundamentais da arquitetura sensorial, e viu-se, também, que ela é muito importante àqueles que buscam transformar o seu espaço em um local mais aconchegante e sensorial.

Grande parte do que se anseia quanto à presença em qualquer local diz respeito ao conforto, à adaptação e, às vezes, ao aconchego. A arquitetura sensorial atende a todas essas solicitações, e por isso ela é tão requisitada e ambicionada hoje em dia.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.