Siga-nos

Virando Páginas

O desafio de escrever

Quem disse que para ser escritor basta escrever?

Publicado

em

O desafio de escrever

Luara Batalha

Outro dia estava lendo uma matéria sobre o consumo de literatura no país e os números me chamaram atenção. A média anual brasileira é de 5 livros lidos por ano, sendo que desses, somente a metade é lido por inteira. Além disso, quase 50% da população do país (brasileiros com mais 5 anos) não leu nada no ano de 2019(Dados retirados de Brasil perde 4,6 milhões de leitores em quatro anos). Relacionada a nossa baixa média de leitura há obstáculos atrelados que não significam falta de interesse, como o alto valor dos livros (justificativa para 5% dos leitores e 1% dos não leitores), falta de bibliotecas na região (7% dos leitores e 2% dos não leitores) ou dificuldade na leitura em si (19% disseram ler muito devagar e 9% não entendem grande parte do que leem).

Diante desses números, a atividade de escrever é quase um desafio. A “audácia” de ter colunas semanais ou livros publicados perante a quantidade de leitores é algo que deveria ser valorizado na mesma medida que outras atividades relacionadas à produção de conteúdo. Mas por que? Simples: o desafio não é só o ato de escrever em si, mas o de também “conseguir” ser lido. Hoje, não basta publicar, é preciso que haja uma movimentação para que as pessoas leiam o que está disponível, mesmo quando gratuito.

O escritor precisa se fazer conhecido nas redes sociais e manter o encanto tão trabalhosamente conquistado – tirando as exceções dos grandes nomes da literatura. Portanto, é um trabalho de formiguinha que começa antes mesmo da publicação do material. Ligado a esse esforço, mesmo que proveniente dos interesses particulares de quem escreve, acaba por ocorrer, de forma discreta, um estímulo para que a população leia e se eduque, e não há nada mais revolucionário do que isso.

Virando Páginas

Neste cenário em que ler e se educar também se encaixam na ideia de “provocação” ao que temos hoje, uma obra que considero desafiadora – e aqui falo no sentido social – é a antologia Feminismos. Nesse livro nos deparamos com ilustrações, contos e textos informativos escritos por mulheres de diversos locais do país, nos quais são apresentadas situações em que o feminismo se fez presente de alguma forma. Com personagens reais e fictícios, passeamos pelas restrições vividas por mulheres desde o período da colonização até hoje, evidenciando que, apesar das mudanças, ainda precisamos melhorar bastante.

A antologia Feminismos representa a árdua tarefa que é escrever e publicar. Dezenas de mulheres envolvidas na escrita, revisão, diagramação, ilustração, publicação, propaganda – como eu disse, não basta escrever – e outras tantas atividades. Tudo isso para chamar a atenção dos 52% de leitores do país, e se possível dos 48% de não leitores também. Portanto, escrever é desafiar, é provocar, é ter foça, é se levantar e ter voz (“… sente uma força correndo na espinha das palavras da neta. Será que ela pode mesmo se levantar e ter voz?” Conto A linda flor de bambu, da escritora Denise Fonseca, da antologia Feminismos).

Virando Páginas. Céu.

Luara Batalha

Baiana com mais de 10 livros publicados em sua área, Luara Batalha é mestre em engenharia de estruturas e atua com ensino e pesquisa. Apaixonada pelas letras, é colunista semanal dos sites Fala Barreiras e Folha de Sergipe. Teve seus contos “Invasão de território” publicado na antologia Soteropolitanos, “Momento não esquecido” publicado na antologia Feminismos, “Terapia” selecionado para a antologia Brasil, mostra a tua cara e “Para o porteiro” selecionado para o Prêmio OFF FLIP de Literatura. Atualmente trabalha no seu primeiro romance.

Céu

Seja integrante de nosso grupo de WhatsApp!
Falabarreiras Notícias 01
Falabarreiras Notícias 02
Falabarreiras Notícias 20
Falabarreiras Notícias 42

Barreiras Notícias - Fala Barreiras