Siga-nos

Palavreado Barreirense

Poemas de Nicanor do Boa

(1ª parte de uma série)…

Publicado

em

Poemas de Nicanor do Boa

Imagem destaque: Nicanor do Boa pescando sentado no Cais de Barreiras | Foto: Kincão

De volta ao cais, Nicanor do Boa,
que nunca caiu da canoa,
com o anzol e a linha na mão,
buscando paz na pesca,
ensimesma-se e retorna ao passado.

À sua frente, na outra margem,
imagens do Parque de Exposições:
estampidos e foguetes levantam
fumaça e cheiro de pólvora no ar.
Nicanor compara o cenário
com filmes de faroeste, bang-bang
duelo entre ele e Django
na tela do cinema Cine Roma.

“O que faço eu pra defender
a dama do Oeste tomada de assalto?”
Ao puxão do peixe, ele em sobressalto:
“O que faço pra defender a dama
em pleno cassino da soja?”

O que fazer, Nicanor?
ele que nunca fora um fora da lei;
que nunca fora heroi nem cauboi;
em seu bruto querer
nunca quis revólver
(no máximo uma baladeira);
ele que fora um mero e humilde
peão boiadeiro, de rodeio,
sem dar autógrafo e sem ter
paparazzo à sua volta;
fotografado de costas, como podes ver,
ao click rápido de Kinkão.

Exposto agora ao paparazzo do poema,
Nicanor espeta minhocas no anzol
e, nos seus miolos, enfia lembranças.
Sem querer se expor,
o poema tenta abri-lhe fendas;
o mecanismo do trinco de quem se tranca
e não se desvenda.
Ele se vira, oferece a outra face,
sua fronte agora defronte ao parque.

Ante o anzol recolhido e vazio, desabafa:
“Isso é vida de gente?”
Ah vida, para uns luta diária,
para ele, duelo diuturno.
Na outra margem o parque exposto:
vitrines, vestes, maquiagens,
botas, louras, lorotas, agasalhos.
Nicanor sem querer se expor
e o paparazzo poema no seu encalço.

Nicanor em confronto consigo:
“saio do cais em direção ao parque?”
Duelo no Oeste entre Django e Nicanor;
duelo entre Nicanor do Boa e Nicanor Não Tão Bem.

Enquanto espera o peixe,
ele se dedica a Valdick Soriano:
“Eu não sou cachorro não”
Desenganado da pesca, desabafa de novo:
“Isso é vida de gente?”
Nicanor enfia minhocas nos miolos
e no anzol, miolo de pão.

Depois do desencanto da pesca e do canto
se vestirá de peão boiadeiro?
Esquecerá o anzol e a linha
e se alinhará ao duelo com o touro?

Nicanor pensando alto agora:
no alto do morro do cupim do touro;
ouvindo o estouro da boiada;
ouvindo a vaia da arquibancada.
Nas patas do seu cavalo
o mundo rodopiando como a girândola ligeira
de Benedito Fogueteiro;
o mundo girando no copo da brejeira,
feito a roda gigante;
chapéu mexicano
mexendo o juízo de Nicanor do Boa
“Segura, Nego duro,
sustenta chão da prefeitura”
fala consigo mesmo.

O sonho desfeito de ir pra Barreto
ficou mesmo em Barreiras.
o orgulho de Nicanor agora no solo;
o chão duro da prefeitura
segurando a queda do Nego duro.

Clerbet Luiz

Palavreado Barreirense

Seja integrante de nossos grupos de WhatsApp!
Falabarreiras Notícias 01
Falabarreiras Notícias 02
Falabarreiras Notícias 20
Falabarreiras Notícias 42

Fala Barreiras