Siga-nos

Agro

Efetivada mais uma etapa do Programa Prodebon

Publicado

em

Por: Viviane Cruz

01O empenho em buscar recursos junto à iniciativa privada para investir em projetos que proporcionem a sustentabilidade do homem do campo consolidou-se nesta terça-feira (14), com o ato de assinatura de convênio entre a Secretaria Estadual da Agricultura e a indústria pneumática Continental do Brasil, para doação de mudas de seringueira, beneficiando os agricultores familiares de diversas associações e assentamentos nos territórios de identidade de Baixo Sul, Litoral Sul, Costa do Descobrimento e Extremo Sul da Bahia, inseridos no Programa de Desenvolvimento do Setor da Borracha Natural do Estado da Bahia (Prodebon). A empresa Continental vai investir R$ 500,00 na aquisição das mudas durante os anos de 2014 e 2015, para doação aos agricultores. O secretário estadual da Agricultura, engenheiro agrônomo Eduardo Salles, agradeceu o empenho do diretor financeiro da Continental, Bodo Wulf Merkle, para que essa parceria fosse firmada, mas principalmente pela filosofa social da empresa e por entender a importância de levar sustentabilidade à zona rural.

A assinatura do convênio concretizou as intenções de contribuir com o desenvolvimento e consolidação do Podebon, demonstradas pela Continental do Brasil, que em outubro do ano passado, através dos diretores superintendentes da Continental, Pedro Emanuel Gravina Pereira de Matos e José da Silva Carvalho Neto, entregaram ao secretário Eduardo Salles uma carta declarando que participaria do projeto, doando milhares de mudas aos agricultores familiares.

“A assinatura deste acordo de cooperação vai beneficiar todas as esferas envolvidas neste processo, os agricultores familiares, o desenvolvimento econômico do Estado, o meio ambiente e as empresas privadas que precisam importar a borracha natural, ao invés de comprar aqui essa matéria-prima”, enfatizou o diretor financeiro da Continental do Brasil, Bodo Wulf Merkle.

De acordo com o diretor da Superintendência de Desenvolvimento Agrário da Seagri (SDA), Henrique Heitor de Almeida, a entrega da primeira remessa das mudas está programa da para acontecer no próximo mês de fevereiro deste ano, na região do Baixo Sul da Bahia, nos municípios de Ilhéus, Camamu e Ubaitaba.

Prodebon
Organizado pela Câmara Estadual Setorial da Borracha para estruturar a cadeia produtiva da borracha natural, o Prodebon é uma iniciativa que envolve o compromisso de cooperação assumido pelo governo do Estado, através da Seagri/EBDA/Adab/CDA; Secretaria de Ciência e Tecnologia (Secti); Sedir/Car; MDA; Mapa/Conab; BNB; BB; Ceplac; Faeb; Senar-Ba; Sebrae-BA; Organização de Conservação da Terra (OCT); Instituto Biofábrica de Cacau; Fetraf-Ba; Fetag-Ba; Sema/Inema, além das indústrias de pneus.

Migrar da produção de 17,2 toneladas/ano para 146 mil toneladas; de 32.314 hectares plantados para mais 100 mil hectares com variedades melhoradas de seringueira nos próximos 20 anos; ampliar de 6,5 mil empregos para 34 mil, aumentar a produtividade de 800 kg/hectare para 1.460 kg/hectare, eliminar a importação de borracha seca, que hoje representa 70% do consumo interno; aumentar a renda oriunda da produção dos atuais R$ 102 milhões/ano, para R$ 865 milhões/ano; ampliar a arrecadação de ICMS de R$ 18 milhões /ano, para R$ 163 milhões/ano, e chegar ao ano 2040 com a Bahia autossuficiente na produção de borracha natural. Esses são os principais objetivos do Prodebon.

O secretário Eduardo Salles explicou que parte da implantação proposta, cerca de 75% dos 100 mil hectares de seringueira, será feita no Sistema Agro Florestal (SAF), consorciado com o cacau e a banana, dando sustentabilidade ao produtor. Outra parte, 25%, será em substituição de eritrina por seringueira em plantios de cacau. O Prodebon vai atender a 18.133 produtores, em sua maioria da agricultura familiar. Os pequenos produtores alvo do programa estão distribuídos nos Territórios de Identidade Agreste Alagoinhas/Litoral Norte, Baixo Sul, Extremo Sul, Litoral Sul, Médio Rio das Contas, Recôncavo e Vale do Jiquiriçá, compreendendo a superfície de 95 mil Km2.

De acordo com o secretário da Agricultura, as mudas de cacau e banana e a assistência técnica serão viabilizadas pela Seagri/Ebda. O Banco do Nordeste do Brasil, através do FNE Verde – Programa de Financiamento à Conservação e Controle do Meio Ambiente -, financia todo o restante com oito anos de carência e 12 para pagar, totalizando 20 anos, além de operações com o Banco do Brasil.

“O Prodebon foi o primeiro plano estadual estratégico que lançamos” ressaltou o secretário da Agricultura, Eduardo Salles, lembrando que “para organizar e estruturar a agropecuária do Estado criamos 22 câmaras setoriais de cadeias produtivas consideradas estratégicas, que receberam a missão de elaborar planos estratégicos para os próximos 20 anos”, finalizou Salles.

Fonte: Ascom Seagri

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fala Barreiras